Item

sábado, 25 de abril de 2015

Cursos Preparatórios para vestibulares, concursos e reforço escolar - Modulares por Disciplina



Cada curso modular por disciplina ocorre em um encontro semanal com duas horas de duração.

Neste período, o professor aborda o conteúdo da disciplina durante uma hora e quarenta minutos, com aulas expositivas e resoluções de exercícios. Os vinte minutos finais de cada encontro são voltados para o plantão de dúvidas. 
O curso é direcionado para os principais vestibulares do Brasil e o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e tem como objetivo aprimorar os conhecimentos do aluno e desenvolver o seu raciocínio lógico-interpretativo para as diversas questões que são abordadas nos principais exames de seleção do país.

O Curso de Inglês para Vestibulares e concursos tem duração de uma hora e trinta minutos.

Curso de Redação
O curso de redação ocorre em encontro semanal com duas horas de duração e tem como objetivo o aprimoramento de técnicas em produção e intelecção de texto nos mais diversos gêneros textuais. Durante o curso o professor promove debates acerca de temas da atualidade, estimulando o desenvolvimento do senso crítico no aluno, essencial no desenvolvimento das propostas exigidas pelos grandes exames de seleção.

Aulas Particulares
São oferecidas aulas particulares em todos os níveis: fundamental I e II, médio e superior*. A duração de cada aula é de SESSENTA MINUTOS, em que o professor auxilia o aluno na compreensão do conteúdo, solucionando as dúvidas existentes.

*Disciplinas disponíveis devem ser consultadas na secretaria da escola.

** As aulas devem ser agendadas com antecedência na secretaria da escola.


Acompanhamento Escolar

Nesta modalidade, as aulas podem ocorrer individualmente ou em pequenos grupos, para aqueles alunos que desejam aprimorar os seus conhecimentos, contando com o suporte de um professor da área desejada, ao longo de todo o ano letivo. Estas aulas podem ocorrer para alunos de diversos níveis.


Nossos Professores
São profissionais experientes e qualificados, que lecionam nas principais instituições de Uberlândia


Material Didático Incluso



Todos os nossos cursos modulares têm turmas com no máximo QUINZE alunos.

Visite e curta a nossa página no facebook: Palavra Perfeita

Quer saber mais? Ligue pra nós:





Cursos de capacitação para o Mercado de trabalho



OBJETIVOS DO CURSO
·        Aprimorar a escrita de cartas, e-mails, monografias, projetos e outros textos.
·        Escrever com clareza e coesão.
·        Esclarecer as principais dúvidas, evitando erros comuns de português.
·        Trabalhar as necessidades relacionadas ao uso da Língua Portuguesa no cotidiano dos profissionais de hoje.
·        Praticar a escrita conforme o novo acordo ortográfico.

METODOLOGIA
1.   Aulas teóricas e práticas com exercícios e criação de textos.
2.   Plantões individuais para correção dos textos e dúvidas.

CONTEÚDO
·        Elaboração e interpretação de textos: funções da linguagem, texto e contexto, pressuposto e subentendido, coesão e coerência, texto de opinião, parágrafo, planejamento textual, estratégia de textos I e II e argumentação.
·        Gramática: acentuação, classes de palavras, verbo, colocação pronominal, orações, pontuação, regência, crase, pronomes, concordância verbal e nominal, dificuldades mais comuns do português, funções do QUE e do SE e figuras de linguagem.

DURAÇÃO
 4 meses – uma aula por semana – às segundas feiras

*Verificar disponibilidade de vagas nos telefones a baixo:



quarta-feira, 15 de abril de 2015

Por que algumas crianças não conseguem aprender?




Muitos pais ficam angustiados porque seus filhos não aprendem, não conseguem concentra-se, absorver conhecimentos. “O que está errado?”, é a pergunta recorrente em casos assim. A resposta só cabe a uma equipe multidisciplinar, mas você, que se relaciona com as famílias e a criança no seu trabalho, pode orientá-los.
Os distúrbios de aprendizagem não são incomuns. Estudos indicam que cerca de 15% a 20% das crianças, no início da escolarização, apresentam alguma dificuldade em aprender, o que acaba afetando o desempenho escolar. As estimativas podem chegar a 30% ou 50% se a análise se estender aos seis primeiros anos de escolaridade.
Detectar as origens do problema é o papel dos profissionais ligados ao tema para garantir um diagnóstico preciso. No entanto, como educador ou cuidador da criança pequena na creche ou escola, estar atento a esses desvios, ou mesmo acolher os pais, é o seu papel.
O primeiro passo é entender as possíveis causas, mas sem qualquer pretensão de definir diagnósticos. Compreender é a melhor maneira de cuidar. Alguns fatores podem interferir no aprendizado. Veja o que significa cada um:
Mau desempenho escolar (MDE) – associado a questões emocionais (baixa autoestima, desmotivação) e preocupação familiar. Relaciona-se com problemas de origem pedagógica e/ou sociocultural, sem qualquer envolvimento orgânico. Ambientes familiares que não favorecem a interação e estímulos qualificados também são foco do problema.
Distúrbio de aprendizagem (DA) – uma expressão genérica para um conjunto de alterações que denotam as dificuldades na aquisição e no uso da audição, fala, leitura, escrita, raciocínio ou habilidades matemáticas. É considerado um distúrbio abrangente, responsável por dificuldades de aprendizagem em todos os níveis.
Dislexia – dificuldade na fluência correta da leitura e na habilidade de decodificação, alteração na discriminação dos sons, consciência fonológica e limitação da memória de curta duração. A criança com dislexia apresenta nível cognitivo normal, ausência de deficiências sensoriais (déficits auditivos e/ou visuais), ajuste emocional e acesso ao ensino adequado.
Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) – as principais causas são neurobiológicas e/ou hereditária: complicações gestacionais ou parto; lesões cerebrais adquiridas; toxinas, fumo e álcool na gestação; prematuridade; baixo peso ao nascimento, dentre outros.
Super habilidades (superdotação) – crianças superdotadas muitas vezes apresentam um mau desempenho na escola, provavelmente porque estão expostas a situações de aprendizagem muito fáceis, que levam ao desinteresse, à desmotivação e distração, podendo gerar frustração, insucesso, baixa autoestima, além de estresse familiar e escolar.
Sobrecarga – outro fator que pode desencadear o desempenho ruim na escola. Famílias que sobrecarregam as crianças com agendas lotadas, contribuindo a pouca qualidade de sono.
Com estas informações, fica mais fácil entender a criança e os pais, além de fortalecer os seus argumentos sobre a importância de consultar o especialista o quanto antes para que, qualquer que seja o diagnóstico, a criança seja cuidada, evitando quadros irreversíveis no médio e longo prazo.

Curso de escrita para crianças - em Uberlândia - Solução para as dificuldades de aprendizagem na leitura e na escrita


"A criança precisa do bonito e do novo, pois o velho e  o  usado ela já tem."

Bartolomeu Campos de Queiroz




Se o seu filho tem dificuldades na aprendizagem de leitura e escrita, venha conhecer a nossa metodologia.
Trabalhamos com a Escrita criativa aplicada às dificuldades de aprendizagem, concentração, falta de interesse pela leitura e escrita de qualquer tipo de texto.
Nossas aulas têm a alegria própria das crianças. Aqui, ler e escrever vira brincadeira, e brincadeira que ensina não apenas para a escola, mas para a vida!
Atendemos crianças dos 5 aos 12 anos

Os horários:
Segundas e quartas feiras - Manhãs
 1º horário: 8:00 às 9:30hs
  2º  horário: 9:40 às 11:20hs

Segundas e quartas feiras - Tarde
1º horário: 13:30 às 15:00hs
2º horário: 15:30 às 17:00hs

Terças e quintas feiras - Manhãs:
 1º horário: 8:00 às 9:30hs
  2º  horário: 9:40 às 11:20hs

Terças e quintas feiras - Tardes
1º horário: 13:30 às 15:00hs
2º horário: 15:30 às 17:00hs

Toda criança pode e é capaz de aprender!






CURSO - GRAMÁTICA APLICADA AO TEXTO – DO BÁSICO AO AVANÇADO - em Uberlândia




Facebook: Palavra Perfeita

Este curso se destina a quem necessita de atualização no estudo da Língua Portuguesa. É especial para quem se submete a concursos públicos e vestibulares e para quem visa apenas ao aperfeiçoamento profissional. Durante o curso, o professor explicita exemplos de raciocínios linguísticos simples, intermediários e avançados, com vistas à compreensão de todos os níveis estruturais da língua. Milhares de alunos já prestigiaram as aulas e evidenciaram desempenho excelente em provas e atividades profissionais.



CARGA HORÁRIA: 32 horas de aula

simulados relâmpagos comentados
planos de estudo
simulados especiais comentados


INÍCIO:

Turma 1: 11 de maio/2015 (terças-feiras, das 19h às 21h30).
Turma 2: 14 de maio/2015 (quartas-feiras, das 19h às 21h30).

CONTEÚDO:
  • Acordo Ortográfico.
  • Morfossintaxe: emprego das classes gramaticais e sintaxe da oração.
  • Estrutura e formação de palavras.
  • Termos essenciais, integrantes e acessórios da oração.
  • Flexão e vozes verbais.
  • Funções das palavras QUE, SE, LHE, COMO, ONDE, QUANDO.
  • Morfossintaxe do período composto: orações coordenadas e subordinadas. 
  • Pontuação no contexto sintático-estilístico (períodos simples e composto) Colocação pronominal: próclise, ênclise e mesóclise. Regência verbal e nominal.
  • Crase.
  • Concordância verbal e nominal.
  • Morfossintaxe e organização semântica do texto. 


Material didático incluso


FORMAS DE PAGAMENTO: DINHEIRO, CHEQUE(3X) OU CARTÃO(2X).




segunda-feira, 13 de abril de 2015

Curso preparatório para o concurso FUNDASUS - em Uberlândia




O edital para o concurso FUNDASUS ainda não saiu, mas você já pode começar a estudar. Prepare-se desde já!
Todos os que já prestaram qualquer concurso público sabem que o período entre a publicação do edital e o dia da prova é curto e pouco para se preparar de forma adequada.
Atenção: Turmas também em Araguari.
Dúvidas? Saiba mais:
34 - 3086 - 9696
34 - 3237 - 5844
contato@palavraperfeita.com
.br



quinta-feira, 9 de abril de 2015

Aulas de reforço escolar Português e Redação - em Uberlândia

Oferecemos aulas de reforço escolar em Português e redação.

Nossos professores são especializados em Dificuldades de aprendizagem na leitura e escrita.

Atendemos crianças a partir dos 06 anos.


Para mais informações ligue:

(34) 3086 9696



quarta-feira, 1 de abril de 2015

PARTICULARIDADES DA CARTA ARGUMENTATIVA - Para quem vai prestar vestibular UFU/2015



Antes de visualizarmos os modelos, é importante sabermos em que reside a diferença entre carta-argumentativa e artigo de opinião. Se ambos os textos são de cunho dissertativo-argumentativo, têm bastantes elementos semelhantes. Ambos trabalham com base na opinião de seu autor, mas são gêneros específicos. Aliás, o termo gênero textual refere-se à situação comunicativa, isto é, a quando usar a carta e quando usar o artigo.

A carta-argumentativa caracteriza-se por ser uma correspondência com um leitor definido, específico, em oposição ao artigo, que é produzido sempre se pensando num leitor geral, num conjunto de pessoas geralmente desconhecidas.


As dificuldades dos alunos se apresentam, muitas vezes, em levar isso para o papel. Inúmeros são os casos em que a estrutura é de carta, mas o texto é de artigo de opinião.

MODELO DA CARTA ARGUMENTATIVA

Uberlândia, 01 de Abril de 2015

Caro aluno,

A carta argumentativa é um dos gêneros textuais cobrados pela UFU (Universidade Federal de Uberlândia) e há alguns anos, mas ainda causa preocupação nos candidatos, como é o seu caso, motivo pelo qual, sinto-me no dever de fazer algumas ponderações sobre tal gênero, para mostrar-lhe que não se trata de produção tão complexa, como você pensa. Basta seguir algumas orientações.
Veja bem: a Carta Argumentativa pode ser comparada a um e-mail que você envia para alguém, mas no caso específico do vestibular, ela exige certas formalidades, como o uso da norma culta. Entenda que essa forma textual deverá apresentar argumentos, dentro de uma situação comunicativa proposta pela banca para tentar convencer alguém sobre algum assunto. Vemos, então, que não se trata de algo impossível de se produzir, basta conhecer bem o tema e sua estrutura.

Diferentemente do artigo de opinião, na carta é preciso destacar as marcas do destinatário, e isso favorece a criatividade do autor, portanto é bem mais interessante escrevê-la, em modo de pensar. Como se trata de um diálogo, percebemos, estimado candidato, que a linguagem tende a ser diferente da do artigo, pois dá certa liberdade ao emissor, o que também acaba sendo um aspecto positivo e, assim, não tão difícil de ser construído.   
            
Prezado aluno, é óbvia a facilidade que esse gênero chamado CARTA dispensa a quem o produz. Espero que você use tais características a seu favor, na hora de produzir o texto; é preciso adequar-se ao destinatário, “dialogar” bastante com ele e simplificar certas construções frasais, já que a escolha das palavras não precisa ser pela sua dificuldade e sim pela praticidade na comunicação, com observância à norma culta da língua


 Quer aprender a escrever qualquer gênero textual?

Nossa página no facebook: Palavra Perfeita

Ligue:


sexta-feira, 27 de março de 2015

Curso preparatório para o concurso FUNDASUS - em Uberlândia




Edital publicado - Serão 4.683 cargos a serem preenchidos em concurso público da fundação


  • Venha se preparar no melhor curso de Uberlândia.
  • Temos apenas 10 alunos por turma
  • Professores super preparados
  • Monitoria extra horário de aula
  • Simulado online semanal
  • Simulado presencial - quinzenal


O primeiro colocado no último concurso da UFU foi um de nossos alunos. Ligue para ter informações sobre ele.

Temos vagas para turmas com início no dia 06/06/2015.

Para saber mais ligue:
(34) 3086 9696 ? 3237 5844
Conheça nossa página no Facebook:Palavra Perfeita




quarta-feira, 25 de março de 2015

SOBRE A INTERPRETAÇÃO DE UM TEXTO




Depois que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9394/96) entrou em vigor no Brasil, em 1997, muita coisa no ensino de Língua Portuguesa foi modificada, levando-se em consideração agora o amplo trabalho dos lingüistas nas universidades.
Antes o ensino de L.P. era basicamente em cima das gramáticas normativas: cheias de regras preconceituosas, impossíveis e, na maioria dos casos, decorativas. Quem não se lembra de ir para a escola carregando aquele calhamaço, aquele catatau de páginas e mais páginas explicando os inúmeros casos de como se usa a crase, entre tantas outras explicações esdrúxulas?
Hoje, o ensino de L.P. é basicamente interpretativo e contextualizado. Educa-se em língua materna para o entendimento no contexto em que se realiza a comunicação; educa-se para a completude do sujeito; educa-se para a essência do conteúdo, além dos diversos níveis de linguagens e gêneros existentes em uma mesma sociedade.
Mesmo assim, quando se fala em interpretação de textos muitos estudantes não têm certeza ou segurança de seguir em frente. A interpretação é algo individual ou há um sentido comum a todas as pessoas? O que a universidade quer é o mesmo que o autor diz? E as pegadinhas? São muitas as dúvidas que pairam sobre a cabeça dos alunos.
Virou lenda os casos de Jorge Amado e Mário Prata não acertarem as questões de vestibular que caíram sobre suas próprias obras literárias. Ninguém atesta a veracidade desse fato, mas é comum ouvir isso nos corredores dos pré-vestibulares e colégios.
O que se pode minimizar sobre o assunto, neste espaço contido, é que, em relação à interpretação de textos, não se pode cair em três erros básicos: a extrapolação, a redução e a contradição, senão se terá desviado do que pede o enunciado.
A extrapolação é o erro mais comum nas interpretações. Trata-se do aluno que “viaja na maionese”, ou seja, vai para além dos limites do texto, para o que não disse o autor. Não é a soma do que está nas entrelinhas ou implícito, é ultrapassar a fronteira do que não está posto.
Já a redução é enxergar o texto sobre um único prisma, não vê-lo como um todo: o aluno só se depara com um aspecto do mesmo e não com todo ele. A redução é fruto da pressa, da inexperiência, do ler de forma superficial.
E, por fim, a contradição, que é o fato do leitor chegar a conclusões opostas àquelas que estão no texto. As suas deduções o levaram a aspectos que estão contrários aos do autor, ao que ele escreveu. O mesmo que incoerência.
Como o brasileiro figura nas piores estatísticas da UNESCO sobre interpretação de textos e resoluções de problemas matemáticos (que são basicamente interpretativos!), é bom ficar de olho nos três erros descritos acima.
Persistindo a dúvida, tenha calma, leia a questão novamente, procure absorver o que quer dizer o autor - qual o tema trabalhado -, e responda à questão que mais se identifica com a ideia núcleo, com a essência, com o que se pede. Na maioria das vezes é uma simples questão de raciocínio lógico ou dedutivo.
Tudo o que o estudante necessita está ali no texto, no que o autor escreveu ou, como diria Foucault, nos silêncios que há entre uma palavra e outra, sem extrapolação, redução ou contradição!

terça-feira, 24 de março de 2015

Aulas de Redação, interpretação de textos e oralidade em Uberlândia





Aula de Redação e interpretação de Textos:
 
Para candidatos a vestibulares, concursos públicos que conhecem o peso da prova de português/interpretação de textos, por exemplo, nossas aulas mostrarão que interpretar é uma ativade mais complexa do que se imaginava. Que prova de interpretação de texto é só ler e responder. Deve-se ler sim, claro. Mas a questão é: Como você lê? Observamos que a leitura de  muitos candidatos não permite uma reflexão mais refinada sobre o texto. O resultado disso? Notas abaixo da média, frustração.
 
 
Consultoria em Linguagem escrita:


Para profissionais que desejam aperfeiçoar sua escrita, este pode ser um lugar para descobrirem que o escrever melhor não depende das regras gramaticais e/ou ortográficas que conseguem decorar. Escrever um bom texto é muito mais que isso!
Sendo assim, aqui conhecerão alguns aspectos envolvidos na produção dos textos, as dificuldades enfrentadas por quem escreve (ou tenta escrever), as histórias de diferentes profissionais que se queixavam de sua escrita, a maneira como são conduzidas as consultorias prestadas, bem como as sensações de quem passou a escrever mais e melhor. Poderão também refletir sobre a repercussão de bons (e maus) textos no mundo dos negócios. 
 
Aulas para quem quer ser escritor:
 
Um curso para quem quer aprender a ser escritor, aprimorar suas habilidades, ou mesmo para professores.

Aprenda técnicas narrativas, a empregar orações curtas e modernas, conteúdos gramaticais e análise de textos literários e não-literários.

Aulas de acordo com o interesse e necessidade do aluno.
 
 
Aulas de literatura e análise de obras obrigatórias de vestibulares
 
Orientação e estudo: análise das obras obrigatórias para a UFU e outros vestibulares do país.
 
Para quem são os cursos?
  • Profissionais que desejam aperfeiçoar a escrita
  • Alunos em geral;
  • Candidatos a concursos públicos ou vestibulares
  • Pessoas que tenham o objetivo de aprender a escrever por prazer;
  • Acadêmicos que necessitem de orientações para trabalhos e apresentações em geral.

Aulas individuais ou em grupos de no máximo 12 alunos.
 

Atendemos profissionais: psicólogos, médicos, jornalistas, etc. A ideia é fornecer instrumentos para sua expansão pessoal e profissional por meio do domínio da língua pátria. Aulas individuais e personalizadas.

 
 
VALORES  E DEMAIS INFORMAÇÕES por e-mail:
contato@palavraperfeita.com.br
Facebook: palavraperfeita
ou telefones (34) 3237 5844/3086 99 / 9149240

quinta-feira, 19 de março de 2015

Preparatório para o Concurso de Soldado da PMMG - em Uberlândia

Curso é destinado aos que desejam se preparar com antecedência para o Concurso de Soldado da polícia militar de Minas Gerais.

Disciplinas oferecidas (com base no último edital – concurso realizado em 2013)

  • Língua Portuguesa;
  • Redação;
  • Literatura;
  • Matemática;
  • Geografia; História;
  • Noções de Direitos Humanos;
  •  Noções de Informática.
Início:   30 de março de 2015
Término: 28 de maio de 2015
Noturno: Aulas de segunda a quinta - das 19:00hs às 21:45hs 

Ligue agora e concorra a uma bolsa integral para esse preparatório




quinta-feira, 12 de março de 2015

Análise da obra O Cortiço de Aluísio Azevedo




 O Cortiço Aluísio de Azevedo

E naquela terra encharcada e fumegante, naquela umidade quente e lodosa, começou a minhocar, a esfervilhar, a crescer, um mundo, uma coisa viva, uma geração, que parecia brotar espontânea, ali mesmo, daquele lameiro, e multiplicar-se como larvas no esterco. Aluísio Azevedo. 

Em O Cortiço narra-se a trajetória dos moradores de habitações populares, ressaltando-se a degradação humana determinada pela convivência num ambiente imerso na promiscuidade, na violência e no vício. Como eixo da narrativa, contrapõe-se a pobreza dos trabalhadores que moram no cortiço ao enriquecimento inescrupuloso de João Romão, dono das casas de aluguel. 

O trecho transcrito na epígrafe é a forma com que o narrador (onisciente e em terceira pessoa) descreve as lavadeiras que trabalham diariamente no córrego próximo ao local. Observe os verbos utilizados para caracterizar o movimento das mulheres — minhocar e esfervilhar — e como gradativamente a agitação ganha vida própria, chegando, por fim, a caracterizar-se na metáfora larvas no esterco. Seguindo a estética naturalista, em sua narrativa Aluísio Azevedo privilegia o campo semântico da fisiologia, como uma forma de romper com os idealismos das descrições românticas. Nesse sentido, o ser humano, que anteriormente era visto como um ser privilegiado e eleito, foi rebaixado à condição única de animal que segue seus instintos, vivendo espontaneamente. 
O autor acreditava que a literatura era uma forma de conscientizar a sociedade sobre a realidade do país. Sustentando a concepção em moda na época — o meio e a hereditariedade condicionam as relações humanas —, elegeu o cortiço como um agente de sua narrativa.

Cortiço é uma habitação coletiva que penetrou no imaginário social brasileiro como uma representação da realidade. Cortiço carioca, meados dos século XIX. Semelhante ao uso que atualmente as mídias fazem das imagens de favelas, no século XIX e início do XX, o cortiço tornou-se referência da pobreza e da difícil condição de vida de certos grupos sociais. Aluísio Azevedo filtrou a realidade brasileira, concentrando-se na singular urbanização do Rio de Janeiro, em que coexistem ricos e pobres, explorados e exploradores, em espaços muito próximos. O escritor assemelha-se a um historiador ao revelar elementos da vida pública brasileira no reinado de D. Pedro II. Mas, mesmo empenhado em “transcrever” a realidade, sua imaginação literária cria uma “certa” realidade, isto é, seu modo de observar e de analisar é uma perspectiva guiada por pensamentos e obras paradigmáticos de sua época. A partir da segunda metade do século XIX, o ambiente sociocultural europeu apresentou significativas mudanças, devido ao desdobramento da Revolução Industrial, iniciada no século anterior, e ao consequente desenvolvimento urbano.

 Da França, surgiram obras que se tornaram paradigmas para os escritores ocidentais. Publicada em 1856 pelo francês Gustave Flaubert, Madame Bovary tornou-se obra modelar para muitos escritores realistas da época, inaugurando narrativas que romperiam com as idealizações românticas. Derivado do Realismo, o Naturalismo1 acentuou a busca pela observação e pela análise da sociedade, acrescentando a tentativa de explicá-la cientificamente. 

Aluísio Azevedo aderiu a esta estética, seguindo as concepções de Émile Zola, cujas ideias concentram-se no livro O Romance Experimental: Em uma palavra, devemos trabalhar com os caracteres, as paixões, os fatos humanos e sociais, como o químico e o físico trabalham os corpos brutos, como o fisiólogo trabalha com os corpos vivos. O determinismo domina tudo. É a investigação científica, é o raciocínio experimental que combate, uma por uma, as hipóteses dos idealistas, e substitui os romances de pura imaginação pelos romances de observação e experimentação. Émile Zola. O romance experimental. Perspectiva. O Naturalismo propunha que a obra literária se tornasse uma arma de combate para reformas sociais. 

Tomando como princípio:
1 o Positivismo 
2  o Determinismo  
3 as obras naturalistas sondavam a interioridade das personagens, intimamente ligadas ao meio e à herança cultural, social e biológica. 

1 Naturalismo: movimento literário inaugurado com a publicação da obra Thérèse Raquin, escrita por Émile Zola, em 1867. 

2 Positivismo: teoria científica criada por Augusto Comte que visa aplicar na análise dos fenômenos sociais os princípios de observação, experimentação e análise utilizados nas ciências da natureza.

3 Determinismo: teoria artística criada por Hippolyte Taine. Compreende que a obra de arte deve seguir os princípios de raça, meio e hereditariedade para a construção de seus elementos. O cortiço As habitações populares do Rio de Janeiro são produtos da exploração e do lucro de João Romão, um imigrante português ganancioso que inicialmente possuía apenas um pequeno estabelecimento comercial no subúrbio. Logo João Romão aproximou-se de Bertoleza, escrava fugida e trabalhadeira, dona da pequena quitanda vizinha, de quem, depois de ganhar a confiança, roubou as economias. Com o dinheiro de Bertoleza, João Romão aumentou sua propriedade. Depois, forjou uma carta de alforria para enganá-la. Passaram a viver juntos. Com o trabalho fervoroso dela e as economias dele, roubavam materiais de construção da vizinhança e construíam cubículos de aluguel. O aumento do cortiço foi simétrico à ganância e à exploração de seu dono, que comprou a pedreira ao lado. Nas casas de aluguel, passaram a viver trabalhadores da pedreira, lavadeiras e outros tipos variados. Leia, a seguir, uma caracterização de João Romão: Sempre em mangas de camisa, sem domingo nem dia santo, não perdendo nunca a ocasião de assenhorear-se do alheio, deixando de pagar todas as vezes que podia e nunca deixando de receber, enganando os fregueses, roubando nos pesos e nas medidas, comprando por dez réis de mel coado o que os escravos furtavam da casa dos seus senhores, apertando cada vez mais as próprias despesas, empilhando privações sobre privações, trabalhando e mais a amiga como uma junta de bois, João Romão veio afinal a comprar uma boa parte da bela pedreira, que ele, todos os dias, ao cair da tarde, assentando um instante à porta da venda, contemplava de longe com um resignado olhar de cobiça. Aluísio Azevedo. O Cortiço. Ática. Miranda, imigrante português que obteve sua ascensão social por meio do casamento com Estela, construiu um sobrado vizinho ao estabelecimento de João Romão e passou a ser incomodado pelo crescimento do cortiço. Ambos nutriam inveja mútua: Miranda, da liberdade do vendeiro de enriquecer sem precisar submeter-se a um dote; João, do status social que Miranda alcançou. 

O sobrado de Miranda e o cortiço de João Romão compõem, inicialmente, um contraponto: de um lado, a vida do trabalhador urbano pobre; de outro, a família de Miranda, habituada a regalias e à hipocrisia das conveniências. No sobrado, além de Miranda, de Estela e da filha Zulmira, viviam como agregados Botelho (um parasita) e Henrique (jovem estudante de Medicina, filho do melhor cliente de Miranda). Outro cortiço formou-se nas redondezas e seus moradores foram apelidados de Cabeças de gato, enquanto os moradores das habitações de João Romão passaram a ser chamados de Carapicus. A rivalidade crescente dos moradores tem sua metonímia na disputa amorosa entre o português Jerônimo e o mulato Firmo (este, um cabeça de gato) pelo amor de Rita Baiana. 

O conflito findou com um incêndio que destruiu parte das casas de João Romão, que, aproveitando a oportunidade, reconstr uiu o cortiço, fazendo-lhe melhorias. 
À medida que enriqueceu, João ambicionava ascensão social. Para alcançá-la, pretendia casar-se com Zulmira, filha de Miranda. Para isso, precisava “livrar-se” de Bertoleza. Denunciou-a a seus antigos donos. A cena final narra o drama de Bertozela, que, percebendo a traição de seu amante, suicidou-se. 

Leiamos:

O jantarcorreufrioecontrafeito;osdois(JoãoRomãoeBotelho) sentiam-se ligeiramente dominados por um vago sobressalto. João Romão foi pouco além da sopa e quis logo a sobremesa. Tomavam café, quando um empregado subiu para dizer que 14 lá embaixo estava um senhor, acompanhado de duas praças, e que desejava falar ao dono da casa. — Vou já! respondeu este. E acrescentou para o Botelho: 
— São eles!
 — Deve ser, confirmou o velho.
 E desceram logo. 
— Quem me procura?... exclamou João Romão com disfarce, chegando ao armazém. 
Um homem alto, com ar de estroina, adiantou-se e entregou-lhe uma folha de papel. João Romão, um pouco trêmulo, abriu-a defronte dos olhos e leu-a demoradamente. 
Um silêncio em torno dele; os caixeiros pararam em meio do serviço, intimidados por aquela cena em que entrava a polícia. 
— Está aqui com efeito... disse afinal o negociante. Pensei que fosse livre...
 — É minha escrava, afirmou o outro. Quer entregar-ma?...
 — Mas imediatamente. 
— Onde ela está? 
— Deve estar lá dentro. Tenha a bondade de entrar...
 O sujeito fez sinal aos dois urbanos, que o acompanharam logo, e encaminharam-se todos para o interior da casa. Botelho, à frente deles, ensinava-lhes o caminho. João Romão ia atrás, pálido, com as mãos cruzadas nas costas. Atravessaram o armazém, depois de um pequeno corredor que dava para um pátio calçado, e chegaram finalmente à cozinha. Bertoleza, que havia já feito subir o jantar dos caixeiros, estava de cócoras no chão, escamando peixe, para a ceia do seu homem, quando viu parar defronte dela aquele grupo sinistro. 

Reconheceu logo o filho mais velho do seu primeiro senhor, e um calafrio percorreu lhe o corpo. Num relance de grande perigo compreendeu a situação; adivinhou tudo com a lucidez de quem se vê perdido para sempre: adivinhou que tinha sido enganada; que a sua carta de alforria era uma mentira, e que o seu amante, não tendo coragem para matá-la, restituía-a ao cativeiro. Seu primeiro impulso foi de fugir. Mal, porém, circunvagou os olhos em torno de si, procurando escapulir, o senhor adiantou-se dela e segurou-lhe o ombro. 

— É esta! disse aos soldados, que, com um gesto, intimaram a desgraçada a segui-los. – Prendam-na! É escrava minha! A negra, imóvel, cercada de escamas e tripas de peixe, com uma das mãos espalmadas no chão e com a outra segurando a faca de cozinha, olhou aterrada para eles, sem pestanejar. 
Os polícias, vendo que elas e não despachava, desembainharam os sabres.
 Bertoleza, então, erguendo-se com ímpeto de anta bravia, recuou de um salto e, antes que alguém conseguisse alcançá-la, já de um só golpe certeiro e fundo rasgara o ventre de lado a lado. E depois emborcou para frente, rugindo e esfocinhando moribunda numa lameira de sangue. João Romão fugiu até o canto mais escuro do armazém, tapando o rosto com as mãos.
Neste momento parava à porta da rua uma carruagem. Era uma comissão de abolicionistas que vinham, de casaca, trazer-lhe respeitosamente o diploma de sócio benemérito. Ele mandou que os conduzissem para a sala de visitas. Aluísio Azevedo. O Cortiço. Ática.

4 Estroina: extravagante, boêmio. O Cortiço é um romance de muitas personagens e merecem destaque as descrições precisas dos tipos, com seus traços psicológicos e suas manias. Observe o trecho a seguir, em que o narrador apresenta as lavadeiras que habitam o lugar. Repare no detalhamento quase caricatural: A primeira a pôr-se a lavar foi a Leandra, por alcunha “Machona”, portuguesa feroz, berradora, pulsos cabeludos e grossos, anca de animal do campo. Tinha duas filhas, uma casada e separada do marido, Ana das Dores, a quem só chamavam a “ das Dores”, e outra donzela ainda, a Nenen, e mais um filho, o Agostinho, menino levado dos diabos, que gritava tanto ou melhor que a mãe. A das Dores morava em sua casinha à parte, mas toda a família habitava no cortiço. Ninguém ali sabia ao certo se a Machona era viúva ou desquitada; os filhos não se pareciam uns com os outros. A das Dores, sim, afirmavam que fora casada e que largara o marido para meter-se com um homem do comércio; e que este, retirando-se para a terra e não querendo soltá-la ao desamparo, deixara o sócio em seu lugar. Teria vinte e cinco anos. 

Nenen dezessete. Espigada, franzina e forte, com uma proazinha de orgulho da sua virgindade, escapando como enguia por entre os dedos dos rapazes que a queriam sem ser para casar. Engomava bem e sabia fazer roupa branca de homem com muita perfeição. Ao lado da Leandra foi colocar-se à sua tina a Augusta CarneMole, brasileira, branca, mulher de Alexandre, um mulato de quarenta anos, soldado de polícia, pernóstico, de grande bigode preto, queixo sempre escanhoado e um luxo de calças brancas engomadas e botões limpos na farda, quando estava de serviço.

Também tinham filhos, mas ainda pequenos, um dos quais, a Juju, vivia na cidade com a madrinha que se encarregava dela. Esta madrinha era uma cocote de trinta mil réis para cima, a Leônie, com sobrado na cidade. Procedência francesa. 

Alexandre, em casa, à hora do descanso, nos seus chinelos e na sua camisa desabotoada, era muito chão com os companheiros de estalagem, conversava, ria e brincava, mas envergando o uniforme, encerando o bigode e empunhando a sua chibata, com que tinha o costume de fustigar as calças de brim, ninguém mais lhe via os dentes e então a todos falava teso e por cima do ombro. 

A mulher, a quem ele só dava tu quando não estava fardado, era de uma honestidade proverbial no cortiço, honestidade sem mérito, porque vinha da indolência do seu temperamento e não do arbítrio do seu caráter. Junto dela pôs-se a trabalhar a Leocádia, mulher de um ferreiro chamado Bruno, portuguesa pequena e socada, de carnes duras, com uma fama terrível de leviana entre as suas vizinhas. Seguia-a a Paula, uma cabocla velha, meio idiota, a quem respeitavam todos pelas virtudes que só ela dispunha para benzer eripiselas e cortar febres por meio de rezas e feitiçarias. Era extremamente feia, grossa, triste, com olhos desvairados, dentes cortados à navalha, formando ponta, como dentes de cão, cabelos lisos, escorridos e ainda retintos apesar da idade. Chamavam-lhe “Bruxa”.
 Depois seguiam-se a Marciana e mais a sua filha Florinda. A primeira, mulata antiga, muito séria e asseada em exagero: a sua casa estava sempre úmida das consecutivas lavagens. Em lhe apanhando o mau humor punha-se logo a espanar, a varrer febrilmente, e, quando a raiva era grande, corria a buscar um balde de água e descarregava-o com fúria pelo chão da sala. A filha tinha quinze anos, a pele de um moreno quente, beiços sensuais, bonitos dentes, olhos luxuriosos de macaca. Toda ela estava a pedir homem, mas sustentava ainda a sua virgindade e não cedia, nem à mão de Deus Padre, aos rogos de João Romão, que a desejava apanhar a troco de pequenas concessões na medida e no peso das compras que Florinda fazia diariamente na venda. Aluísio Azevedo. O Cortiço. Ática. 

Além dessas, trabalhavam lavando roupas Dona Isabel, mãe de Pombinha, Albino (sujeito afeminado, fraco, cor de espargo cozido) e Rita Baiana, mulata admirada pelos moradores do cortiço devido a sua alegria e liberdade. Suas festas eram as mais agitadas da vizinhança e seu modo de dançar encantava pela sensualidade:
Ela saltou no meio da roda, com os braços na cintura, rebolando as ilhargas e bamboleando a cabeça, ora para a esquerda, ora para a direita, como numa sofreguidão de gozo carnal, num requebrado luxurioso que a punha ofegante; já correndo de barriga empinada; já recuando de braços estendidos, a tremer toda, como se se fosse afundando num prazer grosso que nem azeite, em que se não toma pé e nunca se encontra fundo. Depois, como se voltasse à vida, soltava um gemido prolongado, estalando os dedos no ar e vergando as pernas, descendo, subindo, sem nunca parar com os quadris, e em seguida sapateava, miúdo e cerrado, freneticamente, erguendo e abaixando os braços, que dobrava, ora um, ora outro, sobre a nuca enquanto a carne lhe fervia toda, fibra por fibra, titilando. Aluísio Azevedo. O Cortiço. Ática.

Veja outras personagens que se destacam na narrativa:
 • Estela: esposa de Miranda, senhora pretensiosa com fumaças de nobreza; devido à sua infidelidade, Miranda mudou a família do centro para a periferia da cidade; porém, a esposa tornou-se amante de Henrique, estudante agregado no sobrado. 
• Zulmira: filha de Estela e de Miranda, tipo acabado de fluminense; pálida, magrinha, com pequeninas manchas roxas nas mucosas do nariz, das pálpebras e dos lábios, faces levemente pintalgadas de sardas. Respirava o tom úmido das flores noturnas, uma brancura fria de magnólia; cabelos castanho-claros, mãos quase transparentes, unhas moles e curtas, como as da mãe, dentes pouco mais claros que a cútis do rosto, pés pequenos, quadril estreito, mas os olhos grandes, negros, vivos e maliciosos. 
• Piedade: quando chegou ao cor tiço mostrou-se uma portuguesa trabalhadeira e séria, cuidadosa do marido Jerônimo e da filha Senhorinha. Acompanhou, angustiada, o processo de encantamento de Jerônimo por Rita Baiana e, após sua separação, gradativamente decaiu, tornando-se bêbada. Sua filha passou a ser protegida por Pombinha, após esta ter se tornado cortesã. 
• Firmo: mulato capoeirista, inicialmente amante de Rita Baiana, mas que foi assassinado numa emboscada armada por Jerônimo. Transição Do Espontâneo Ao Dirigido A exploração inescrupulosa de João Romão foi compreendida pelo professor Antônio Candido como um exemplo de “primitivismo econômico”, uma vez que era baseada na exploração brutal do trabalho servil, na usura e no roubo. Como vimos, após ter se tornado rico, João passou a desejar o status e o cortiço acompanhou a mudança de seu dono, não só mudando arquitetonicamente, mas também de nome: após a reforma, deixou de ser chamado “Carapicus” e tornou-se “Vila São Romão”. Antônio Candido também percebeu na narrativa uma certa dialética entre o espontâneo e o dirigido, a natureza e a civilização, o biológico e o mecânico, a qual move as relações no livro. Veja a análise do crítico: "No começo é como se o cortiço fosse regido por lei biológica; entretanto a vontade de João Romão parece ir atenuando o ritmo espontâneo, em troca de um caráter mais mecânico de planejamento. Os dois ritmos estão sempre presentes, mas o desenvolvimento da narrativa implica lento predomínio do segundo sobre o primeiro, como se a iniciativa do capitalista estrangeiro fosse enformando e orientando o jogo natural das condições locais. Ele usa as forças do meio, não se submete a elas; se o fizesse, perderia a possibilidade de se tornar capitalista e se transformaria num episódio do processo natural, como acontece com o seu patrício Jerônimo, o cavouqueiro hercúleo que opta pela adesão à terra e é tragado por ela. Isso leva a pensar que é importante no livro certa dialética do espontâneo e do dirigido, que pode ser percebida no desdobramento virtual do cortiço depois do incêndio, quando João Romão reconstrói as casas com mais largueza e num alinhamento melhor, estabelece horas de entrada e suprime a antiga incoordenação.
 Os moradores inadaptados são explusos ou se expulsam, indo continuar o ritmo da desordem no cortiço próximo e rival, denominado Cabeça de Gato.
O cortiço renovado é descrito por uma imagem de cunho mecânico, quando o antigo sempre o fora por meio de imagens orgânicas, que continuam a ser usadas para o cortiço desorganizado que recebe os seus rebotalhos. A passagem do espontâneo ao dirigido manifesta a acumulação do capital, que disciplina à medida que se disciplina, enquanto o sistema metafórico passa do orgânico da natureza para o mecânico do mundo urbanizado." Antônio Candido.
O discurso e a cidade. Duas Cidades. Observe a mudança no campo semântico para descrever o cortiço no início e ao final do livro. Primeiramente, vamos ler a descrição que apresenta o amanhecer no cortiço para observar as expressões de cunho orgânico que o narrador utiliza: Eram cinco da manhã e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas uma infinidade de portas e janelas alinhadas. Um acordar alegre e farto de quem dormiu de uma assentada sete horas de chumbo. Como que se sentiam ainda na indolência de neblina as derradeiras notas da última guitarra da noite antecedente, dissolvendo-se à luz loura e tenra da aurora, que nem um suspiro de saudade perdido em terra alheia. 
 A roupa lavada, que ficara de véspera nos coadouros, umedecia o ar e punha-lhe um farto acre de sabão ordinário. As pedras do chão, esbranquiçadas no lugar da lavagem e em alguns pontos azuladas pelo anil, mostravam uma palidez grisalha e triste, feita de acumulações de espumas secas. Entretanto, das portas surgiam cabeças congestionadas de sono; ouviam-se amplos bocejos, fortes como o marulhar das ondas; pigarreava-se grosso por toda a parte; começavam as xícaras a tilintar; o cheiro quente do café aquecia, suplantando todos os outros; trocavam-se de janela para janela as primeiras palavras, os bons-dias; reatavam-se conversas interrompidas à noite; a pequenada cá fora traquinava já, e lá dentro das casas vinham choros abafados de crianças que não andam. 

No confuso rumor que se formava, destacavam-se risos, sons de vozes que altercavam, sem se saber onde, grasnar de marrecos, cantar de galos, cacarejar de galinhas. De alguns quartos saíam mulheres que vinham pendurar cá fora, na parede, a gaiola do papagaio, e os louros, à semelhança dos donos, cumprimentavam-se ruidosamente, espanejando à luz nova do dia. Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente; uma aglomeração tumultuosa de machos e fêmeas. Uns, após outros, lavavam a cara, incomodamente, debaixo do fio de água que escorria da altura de uns cinco palmos. O chão inundava-se. As mulheres precisavam já prender as saias entre as coxas para não as molhar; via-se-lhe a tostada nudez dos braços e do pescoço, que elas despiam, suspendendo o cabelo todo para o alto do casco; os homens, esses não se preocupavam em não molhar o pelo, ao contrário metiam a cabeça bem debaixo da água e esfregavam com força as ventas e as barbas, fossando e fungando contra as palmas da mão. As portas das latrinas não descansavam, era um abrir e fechar de cada instante, um entrar e sair sem tréguas. Não se demoravam lá dentro e vinham ainda amarrando as calças ou as saias; as crianças não se davam ao trabalho de lá ir, despachavam-se ali mesmo, no capinzal dos fundos, por detrás da estalagem ou no recanto das hortas. 
O rumor crescia, condensando-se; o zunzum de todos os dias acentuava-se; já se não destacavam vozes dispersas, mas um só ruído compacto que enchia todo o cortiço. Começavam a fazer compras na venda; ensarilhavam-se discussões e resingas; ouviam-se gargalhadas e pragas; já se não falava, gritava- se. Sentia-se naquela fermentação sanguínea, naquela gula viçosa de plantas rasteiras que mergulham os pés vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra. Aluísio Azevedo. O Cortiço. Ática. 

No primeiro parágrafo, a personificação do cortiço evidencia a imagem de que o lugar é um todo orgânico, com vida própria: o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas uma infinidade de portas e janelas alinhadas. O próprio título do romance destaca o cortiço como um agente que degrada as muitas personagens que vivem nele. Aluísio Azevedo, como muitos escritores naturalistas, lançou mão de recursos linguísticos como descrições animalizantes e termos do campo semântico da fisiologia. Essas referências sistematicamente animalizadoras às personagens conotam o intuito de rebaixamento e desumanização, uma vez que o uso desses substantivos, verbos e adjetivos eram considerados brutais para o discurso da época. Note que o barulho das pessoas é caracterizado como zumbido de insetos e a aglomeração delas é vista de forma animalizante: ... em volta das bicas era um zunzum crescente; uma aglomeração tumultuosa de machos e fêmeas. A indistinção entre humanos e animais também está marcada no quarto parágrafo por meio do paralelismo: No confuso rumor que se formava, destacavam-se risos, sons de vozes que altercavam, sem se saber onde, grasnar de marrecos, cantar de galos, cacarejar de galinhas. Já destacamos a astúcia do autor nas descrições precisas. Note também que, muitas vezes, elas privilegiam o sensorial, levando o leitor a uma apreensão impressionista (privilegiadamente visual, olfativa e auditiva) da narrativa, como na sequência: ...pigarreava-se grosso por toda a parte; começavam as xícaras a tilintar; o cheiro quente do café aquecia, suplantando todos os outros. Retomando a análise do professor Candido, nesse momento inicial o cortiço é regido pela espontaneidade e pela natureza: Sentia-se naquela fermentação sanguínea, naquela gula viçosa de plantas rasteiras que mergulham os pés vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra. Diferentemente da força mecânica que o move ao final do livro: A feroz engrenagem daquela máquina terrível, que nunca parava, ia já lançando os dentes a uma nova camada social que, pouco a pouco, se deixaria arrastar inteira lá para dentro. Começavam a vir estudantes pobres, com os seus chapéus desabados, o paletó fouveiro, uma pontinha de cigarro a queimar- lhe a penugem do buço, e as algibeiras muito cheias, mas só de versos e jornais; surgiram contínuos de repartições públicas, caixeiros de botequim, artistas de teatro, condutores de bondes, e vendedores de bilhetes de loteria. (...) Aluísio Azevedo. O Cortiço. Ática. 

Espontâneo e dirigido, natureza e racionalismo seriam modos opostos de se relacionar entre si e com a cultura que explicariam a trajetória vitoriosa dos portugueses João Romão e Miranda, cujo contraponto foi o destino do português Jerônimo. Os primeiros, movidos pelo desejo racionalista de enriquecimento, dirigiram seus esforços para a ascensão social, alcançando-a. Jerônimo degradou-se por aderir aos prazeres e deixar-se dominar pela natureza (os instintos guiavam-no). Casado com Piedade e sustentando a filha em colégio, inicialmente Jerônimo era um português trabalhador. Mas, ao apaixonar-se por Rita Baiana (mulata comprometida com o capoeirista Firmo), aos poucos Jerônimo foi tragado pelos cheiros, sabores e prazeres tropicais, “abrasileirando-se”, como mostra o início do capítulo IX. 
Passaram-se semanas. Jerônimo tomava agora, todas as manhãs, uma xícara de café bem grosso, à moda da Ritinha, e tragava dois dedos de parati "prá cortar a friagem". Uma transformação, lenta e profunda, operava-se nele, dia a dia, hora a hora, reviscerando-lhe o corpo e alando-lhe os sentidos, num trabalho misterioso e surdo de crisálida. A sua energia afrouxava lentamente: fazia-se contemplativo e amoroso. A vida americana e a natureza do Brasil patenteavam-lhe5 agora aspectos imprevistos e sedutores que o comoviam; esquecia-se dos seus primitivos sonhos de ambição; para idealizar felicidades novas, picantes e violentas; tornava- se liberal, imprevidente6 e franco, mais amigo de gastar que de guardar; adquiria desejos, tomava gosto aos prazeres, e volvia-se preguiçoso resignando-se, vencido, às imposições do sol e do calor, muralha de fogo com que o espírito eternamente revoltado do último tamoio entrincheirou a pátria contra os conquistadores aventureiros. E assim, pouco a pouco, se foram reformando todos os seus hábitos singelos de aldeão português: e Jerônimo abrasileirouse. 
A sua casa perdeu aquele ar sombrio e concentrado que a entristecia; já apareciam por lá alguns companheiros de estalagem, para dar dois dedos de palestra nas horas de descanso, e aos domingos reunia-se gente para o jantar.
 A revolução afinal foi completa: a aguardente de cana substituiu o vinho; a farinha de mandioca sucedeu à broa; a carne-seca e o feijão-preto ao bacalhau com batatas e cebolas cozidas; a pimenta-malagueta e a pimenta-de-cheiro invadiram vitoriosamente a sua mesa; o caldo verde, a açorda e o caldo de unto foram repelidos pelos ruivos e gostosos quitutes baianos, pela muqueca, pelo vatapá e pelo caruru; a couve à mineira destronou a couve à portuguesa; o pirão de fubá ao pão de rala, e, desde que o café encheu a casa com o seu aroma quente, Jerônimo principiou a achar graça no cheiro do fumo e não tardou a fumar também com os amigos. Aluísio Azevedo. O Cortiço. Ática 

A transformação de Jerônimo é retratada como uma forma de degradação. Importante notar que a ideologia predominante entre os intelectuais da época explicava a situação de atraso econômico do Brasil por meio da aplicação sociológica de concepções darwinistas e deterministas, cujos discursos entendiam o povo mestiço e o ambiente tropical determinantes de uma inferioridade. Na época, disseminou-se o imaginário preconceituoso em relação aos mestiços e aos povos historicamente colonizados. 
O sol e a sensualidade Também destaca-se na obra a trajetória de Pombinha, filha da velha Isabel, senhora portuguesa que, ao se tornar viúva, passou a trabalhar como lavadeira, guardando certos ares aristocráticos para com a frágil filha: A filha era a flor do cortiço. Chamavam-lha Pombinha. Bonita, posto que enfermiça e nervosa ao último ponto; loura, muito pálida, com uns modos de menina de boa família. A mãe não lhe permitia lavar, nem engomar, mesmo porque o médico a proibira expressamente. 

5 Patenteavam: tornar evidente, manifestar.

6 Imprevidente: sem cautela, descuidado Tinha o seu noivo, o João da Costa, moço do comércio, estimado do patrão e dos colegas, com muito futuro, e que a adorava e conhecia desde pequenita; mas Dona Isabel não queria que o casamento se fizesse já. É que Pombinha, orçando aliás pelos dezoito anos, não tinha ainda pago à natureza o cruento tributo da puberdade, apesar do zelo da velha e dos sacrifícios que esta fazia para cumprir à risca as prescrições do médico e não faltar à filha o menor desvelo. No entanto, coitadas! daquele casamento dependia a felicidade de ambas, porque o Costa, bem empregado como se achava em casa de um tio seu, de quem mais tarde havia de ser sócio, tencionava, logo que mudasse de estado, restituí-las ao seu primitivo círculo social. A pobre velha desesperava-se com o fato e pedia a Deus, todas as noites, antes de dormir, que as protegesse e conferisse à filha uma graça tão simples que ele fazia, sem distinção de merecimento, a quantas raparigas havia pelo mundo. Aluísio Azevedo. O Cortiço. Ática. 

Ao fazer com que a menstruação de Pombinha seja assunto público dos moradores do cortiço, o narrador rompeu com idealismos, de forma crua e desmistificadora. Como o próprio nome indica, inicialmente a personagem ganhara tons angelicais (de pomba) e, zelada por todos, Pombinha retribuía o apreço dos moradores como escritora de cartas. 
Um dos momentos instingantes da narrativa é o desabrochar sexual da moça, após ser violentada sexualmente por Leônie (ex-moradora que se tornara cortesã), Pombinha desperta para a sensualidade e menstrua. 

O trecho a seguir narra o devaneio de Pombinha, deitada no capinzal, momentos antes da chegada de suas regras: 

Começou logo a sonhar que em redor ia tudo se fazendo de um cor-de-rosa, a princípio muito leve e transparente, depois mais carregado, e mais, e mais, até formar-se em torno dela uma floresta vermelha, cor de sangue, onde largos tinhorões rubros se agitavam lentamente. E viu-se nua, toda nua, exposta ao céu, sob a tépida luz de um sol embriagador, que lhe batia de chapa sobre os seios. Mas, pouco a pouco, seus olhos, posto que bem abertos, nada mais enxergavam do que uma grande claridade palpitante, onde o sol, feito de uma só mancha reluzente, oscilava como um pêndulo fantástico. (...) 
Uma sofreguidão lúbrica, desensofrida, apoderou-se da moça; queria a todo custo que a borboleta pousasse nela, ao menos um instante, um só instante, e a fechasse num rápido abraço dentro das suas asas ardentes. Mas a borboleta, sempre doida, não conseguia deter-se, mal se adiantava, fugia logo, irriquieta, desvairada de volúpia.
 — Vem! Vem! Suplicava a donzela, apresentando o corpo. Pousa um instante em mim! Queima-me a carne no calor das tuas asas! E a rosa, que tinha ao colo, é que parecia falar e não ela. 
De cada vez que a borboleta se avizinhava com as suas negaças, a flor arregaçava-se toda, dilatando as pétalas, abrindo o seu pistilo vermelho e ávido daquele contato com a luz. 
— Não fujas! Não fujas! Pousa um instante! Aluísio Azevedo. O Cortiço. São Paulo: Ática, 36a. ed., 2008.

A borboleta não pousou; mas, num delírio, convulsa de amor, sacudiu as asas com mais ímpeto e uma nuvem de poeria dourada desprendeu-se sobre a rosa, fazendo a donzela soltar gemidos e suspiros, tonta de gosto sob aquele eflúvio luminoso e fecundante. Nisto, Pombinha soltou um ai formidável e despertou sobressaltada, levando logo ambas as mãos ao meio do corpo. E feliz, e cheia de susto ao mesmo tempo, a rir e a chorar, sentiu o grito da puberdade sair-lhe afinal das entranhas, em uma onda vermelha e quente. A natureza sorriu-se comovida. Um sino, ao longe, batia alegre as doze badaladas do meio-dia. O sol, vitorioso, estava a pino e, por entre a copagem negra da mangueira, um dos seus raios descia em fio de ouro sobre o ventre da rapariga, abençoando a nova mulher que se formava para o mundo. Aluísio Azevedo. O Cortiço. Ática 

Os elementos do devaneio de Pombinha (rosa de veludo carmesim e borboleta de fogo) circundam a imagem do sol como uma força vitoriosa da natureza.
 O calor do sol é uma alegoria transformadora que se repete ao longo da obra, como nas conclusões de Piedade, para quem a natureza quente e “brasileira” será culpada pelas mudanças em Jerônimo: ...não era contra o marido que se revoltava, mas sim contra aquele sol crapuloso, que fazia ferver o sangue aos homens e metia-lhes no corpo luxúrias de bode. Poderia rebelar-se contra aquela natureza alcoviteira, que lhe roubava o seu homem para dá-lo a outra, porque a outra era gente do seu peito e ela não.

Em O Cortiço, as figuras femininas são compostas a partir de imagens tipos, como: 
• a mulher explorada pelo homem, de que são exemplos Bertoleza e Zulmira (a primeira, explorada em sua força de trabalho; a segunda, como degrau para ascensão social de João Romão);
 • a mulher que opera trocas em nível de igualdade (sujeito e objeto na relação com o masculino), como na troca de conveniências entre Estela e Miranda e, mais tarde, no casal Rita e Jerônimo, para quem representava uma ascensão ligar-se a um “macho da raça superior”; 
• a mulher que se coloca como independente e senhora do outro, como a cortesã Leônie e, ao final, Pombinha (após casar-se e tornar-se adúltera, transformando-se em cortesã, unindo-se a Leônie). 

É preciso tomar contato com a obra para compreender o complexo movimento e o desenrolar dos dramas de suas personagens. Muitas vivem um processo de degradação, revelando uma perspectiva pessimista do autor sobre a realidade brasileira de sua época. Realidade filtrada por concepções “científicas” em moda naquele momento histórico, como o darwinismo social e o determinimo, pressuspostos que, na história do pensamento dos séculos XX e XXI, mostraram-se ultrapassados. Importante entendermos a perspectiva do autor e de sua época para conhecermos melhor nossa herança ideológica. Vejam:

Diálogo entre textos O professor Antônio Candido aproximou o processo de sedução que Iracema, na obra homônima de José de Alencar, opera no português Martins Soares Moreno à do português Jerônimo por Rita Baiana em O Cortiço, de Aluísio Azevedo. 

A índia e a mulata (ambas representam o Brasil tropical, com seus perigos e prazeres) possuem corpos sensuais e utilizam bebidas (o licor da jurema, por Iracema; o café e a cachaça, por Rita) que penetram nos homens e os seduzem.

Atividades

01. (UF-Viçosa- MG) Leia o fragmento de O Cortiço, que se refere à personagem Pombinha: E na sua alma enfermiça e aleijada, no seu espírito rebelde de flor mimosa e peregrina criada num monturo, violeta infeliz, que um estrume forte demais para ela atrofiara, a moça pressentiu bem claro que nunca daria de si ao marido que ia ter uma companheira amiga, leal e dedicada; pressentiu que nunca o respeitaria sinceramente como a um ser superior por quem damos a vida; que nunca lhe votaria entusiasmo, e por conseguinte nunca lhe teria amor; desse de que ela se sentia capaz de amar alguém, se na terra houvera homens dignos disso. Ah! Não o amaria decerto, porque o Costa era como os outros, passivo e resignado, aceitando a existência que lhe impunham as circunstâncias, sem ideais próprios, sem temeridades de revolta, sem atrevimentos de ambição, sem vícios trágicos, sem capacidade para grandes crimes; era mais um animal que viera ao mundo para propagar a espécie; um pobre-diabo enfim que já a adorava cegamente e que mais tarde, com ou sem razão, derramaria aquelas mesmas lágrimas, ridículas e vergonhosas, que ela vira decorrendo em quentes camarinhas pelas ásperas e maltratadas barbas do marido de Leocádia.

Aluísio Azevedo O autor do romance naturalista, sob a influência das teorias cientificistas, apresenta o ser humano como um "caso" a ser analisado, deixando em segundo plano seu lado espiritual. No texto mencionado, a personagem Pombinha reflete a influência do determinismo ambiental? Justifique sua resposta.


(UNIFESP) Texto para as questões 02 e 03:
 O Cortiço Fechou-se um entra e sai de marimbondos defronte daquelas cem casinhas ameaçadas pelo fogo. Homens e mulheres corriam de cá para lá com os tarecos ao ombro, numa balbúrdia de doidos. O pátio e a rua enchiam-se agora de camas velhas e colchões espocados. Ninguém se conhecia naquela zumba de gritos sem nexo, e choro de crianças esmagadas, e pragas arrancadas pela dor e pelo desespero. Da casa do Barão saíam clamores apopléticos; ouviam-se os guinchos de Zulmira que se espolinhava com um ataque. E começou a aparecer água. Quem a trouxe? Ninguém sabia dizê-lo; mas viam-se baldes e baldes que se despejavam sobre as chamas. Os sinos da vizinhança começaram a badalar. E tudo era um clamor. A Bruxa surgiu à janela da sua casa, como à boca de uma fornalha acesa. Estava horrível; nunca fora tão bruxa. O seu moreno trigueiro, de cabocla velha, reluzia que nem metal em brasa; a sua crina preta, desgrenhada, escorrida e abundante como as das éguas selvagens, dava-lhe um caráter fantástico de fúria saída do inferno. E ela ria-se, ébria de satisfação, sem sentir as queimaduras e as feridas, vitoriosa no meio daquela orgia de fogo, com que ultimamente vivia a sonhar em segredo a sua alma extravagante de maluca. Ia atirar-se cá para fora, quando se ouviu estalar o madeiramento da casa incendiada, que abateu rapidamente, sepultando a louca num montão de brasas. Aluísio Azevedo

02. Em O Cortiço, o caráter naturalista da obra faz com que o narrador se posicione em terceira pessoa, onisciente e onipresente, preocupado em oferecer uma visão crítcoanalítica dos fatos. Apesar disso, a sugestão de que o narrador é testemunha pessoal e muito próxima dos acontecimentos narrados aparece de modo mais direto e explícito em:
 a) Fechou-se um entra e sai de marimbondos defronte daquelas cem casinhas ameaçadas pelo fogo.
b) Ninguém sabia dizê-lo; mas viam-se baldes e baldes que se despejavam sobre as chamas.
c) Da casa do Barão saíam clamores apopléticos...
d) A Bruxa surgiu à janela da sua casa, como à boca de uma fornalha acesa.
e) Ia atirar-se cá para fora, quando se ouviu estalar o madeiramento da casa incendiada.

 03. Releia o fragmento de O Cortiço, com especial atenção aos dois trechos a seguir. Ninguém se conhecia naquela zumba de gritos sem nexo, e choro de crianças esmagadas, e pragas arrancadas pela dor e pelo desespero. E começou a aparecer água. Quem a trouxe? Ninguém sabia dizê-lo; mas viam-se baldes e baldes que se despejavam sobre as chamas. No fragmento, rico em efeitos descritivos e soluções literárias que configuram imagens plásticas no espírito do leitor, Aluísio Azevedo apresenta características psicológicas de comportamento comunitário. Aponte a alternativa que explicita o que os dois trechos têm em comum.

a) Preocupação de um em relação à tragédia do outro, no primeiro trecho, e preocupação de poucos em relação à tragédia comum, no segundo trecho.
 b) Desprezo de uns pelos outros, no primeiro trecho, e desprezo de todos por si próprios, no segundo trecho.
c) Angústia de um não poder ajudar o outro, no primeiro trecho, e angústia de não se conhecer o outro, por quem se é ajudado, no segundo trecho.
d) Desespero que se expressa por murmúrios, no primeiro trecho, e desespero que se expressa por apatia, no segundo trecho.
e) Anonimato da confusão e do "salve-se quem puder", no primeiro trecho, e anonimato da cooperação e do "todos por todos", no segundo trecho.


04. (UNIFESP) O Cortiço Jerônimo bebeu um bom trago de parati, mudou de roupa e deitou-se na cama de Rita. — Vem pra cá... disse, um pouco rouco. — Espera! espera! O café está quase pronto! E ela só foi ter com ele, levando-lhe a chávena fumegante da perfumosa bebida que tinha sido a mensageira dos seus amores (...) Depois, atirou fora a saia e, só de camisa, lançou-se contra o seu amado, num frenesi de desejo doido. Jerônimo, ao senti-la inteira nos seus braços; ao sentir na sua pele a carne quente daquela brasileira; ao sentir inundar-se o rosto e as espáduas, num eflúvio de baunilha e cumaru, a onda negra e fria da cabeleira da mulata; ao sentir esmagarem-se no seu largo e peludo colo de cavouqueiro os dois globos túmidos e macios, e nas suas coxas as coxas dela; sua alma derreteu-se, fervendo e borbulhando como um metal ao fogo, e saiu-lhe pela boca, pelos olhos, por todos os poros do corpo, incandescente, em brasa, queimando-lhe as próprias carnes e arrancando-lhe gemidos surdos, soluços irreprimíveis, que lhe sacudiam os membros, fibra por fibra, numa agonia extrema, sobrenatural, uma agonia de anjos violentados por diabos, entre a vermelhidão cruenta das labaredas do inferno. Aluísio Azevedo O Cortiço, obra naturalista:

 a) traduziu a sensualidade humana na ótica do objetivismo científico, o que se alinha à grande preocupação espiritual.
b) fez análises muito subjetivas da realidade, pouco alinhadas ao cientificismo predominante na época.
c) explorou as mazelas humanas de forma a incitar a busca por valores éticos e morais.
d) não pôde ser considerado um romance engajado, pois deixou de lado a análise da realidade.
 e) tratou de temas de patologia social, pouco explorados nas escolas literárias que o precederam.

05. (ESPM) Dos segmentos a seguir, extraídos de O Cortiço, de Aluísio Azevedo, marque o que não traduza exemplo de zoomorfismo:
a) Zulmira tinha então doze para treze anos e era o tipo acabado de fluminense; pálida, magrinha, com pequeninas manchas roxas nas mucosas do nariz, das pálpebras e dos lábios, faces levemente pintalgadas de sardas.
b) Leandra...a Machona, portuguesa feroz, berradora, pulsos cabeludos e grossos, anca de animal do campo.
c) Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente; uma aglomeração tumultuosa de machos e fêmeas.
 d) E naquela terra encharcada e fumegante, naquela umidade quente e lodosa começou a minhocar,... e multiplicarse como larvas no esterco.
e) Firmo, o atual amante de Rita Baiana, era um mulato pachola, delgado de corpo e ágil como um cabrito.

06. (ITA) Assinale a alter nativa em que se completa erradamente a seguinte proposição: Do romance O Cortiço, pode-se dizer que:
a) é um romance urbano.
 b) o autor admite a influência do meio no comportamento do indivíduo.
c) alcança a época da escravidão.
d) Romão é tudo, menos um ingrato.
e) o protagonista não se contenta com a ascensão econômica, quer a social também.
07. (ITA) Acerca do romance O cortiço, de Aluísio Azevedo, não é correto dizer que:
a) todas as personagens, por serem muito pobres, enveredam pelo mundo do crime ou da prostituição.
b) as personagens, ainda que todas sejam pobres, possuem temperamentos distintos, tais como Bertoleza, Rita Baiana e Pombinha.
c) homens e mulheres são, na sua maioria, vítimas de uma sit uação de pobreza que os desumaniza muito.
 d) as personagens, na sua maioria, sejam homens ou mulheres, vivem quase que exclusivamente em função dos impulsos do desejo e da perversidade sexual.
e) a vida difícil das personagens, tão ligadas à criminalidade e à prostituição, é condicionada pelo meio adverso em que vivem e por problemas biopatológicos. 08. (PUC-RS) Leia o texto abaixo e as afirmativas a seguir, para assinalar a alternativa correta.


O Cortiço
E maldizia soluçando a hora em que saíra da sua terra; essa boa terra cansada, velha como que enferma; essa boa terra tranquila, sem sobressaltos nem desvarios de juventude. Sim, lá os campos eram frios e melancólicos, de um verde alourado e quieto, e não ardentes e esmeraldinos e afogados em tanto sol e em tanto perfume como o deste inferno, onde em cada folha que se pisa há debaixo um réptil venenoso, como em cada flor que desabotoa e em cada moscardo que adeja há um vírus de lascívia. Lá, nos saudosos campos da sua terra, não se ouvia em noites de lua clara roncar a onça e o maracajá, nem pela manhã ao romper do dia, rilhava o bando truculento das queixadas, lá não varava pelas florestas a anta feia e terrível, quebrando árvores; lá a sucuruju não chocalhava a sua campainha fúnebre, anunciando a morte, nem a coral esperava traidora o viajante descuidado para lhe dar o bote certeiro e decisivo; lá o seu homem não seria anavalhado pelo ciúme de um capoeira; lá Jerônimo seria ainda o mesmo esposo casto, silencioso e meigo; seria o mesmo lavrador triste e contemplativo como o gado que à tarde levanta para o céu de opala o seu olhar humilde, compungido e bíblico. Aluísio Azevedo


 I. A diferença entre a velha e a nova terra é marcada pela força da natureza que transforma a vida e o comportamento do homem.
II. Expressões como "cansada", "enferma", "frios e melancólicos" assumem uma conotação positiva para a mulher de Jerônimo, ao definirem o espaço da felicidade perdida na velha terra.
III. As ações dos animais, pintadas com os tons fortes do Naturalismo, narram os perigos que Jerônimo e sua mulher vivem na selva.
 IV. O uso da expressão "lá" no trecho destacado indica o espaço das virtudes do marido, da paz doméstica e de uma vida simples e tranquila.
Pela análise das afirmativas, conclui-se que estão corretas apenas:
a) I e III.
b) II e III.
 c) III e IV.
 d) I, II e IV.
e) II, III e IV.

09. (UEL-PR) Na obra-prima que é o romance O Cortiço:
a) podemos surpreender as características básicas da prosa romântica: narrativa passional, tipos humanos idealizados, disputa entre o interesse material e os sentimentos mais nobres.
b) as personagens são apresentadas sob o ponto de vista psicológico, desnudando-se ante os olhos do leitor graças à delicada sutileza com que o autor as analisa e expressa. c) o leitor é transportado ao doloroso universo dos miseráveis e oprimidos migrantes que, tangidos pela seca, abrigam-se em acomodações coletivas, à espera de uma oportunidade.
d) vemos renascer, na década de 30 do nosso século, uma prosa viril, de cunho regionalista, atenta às nossas mazelas sociais e capaz de objetivar em estilo seco parte de nossa dura realidade.
e) consagra-se entre nós a prosa naturalista, marcada pela associação direta entre meio e personagens e pelo estilo agressivo que está a serviço das teses deterministas da época.

10. (UFR-RJ) "O Despertar do Cortiço"
Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente, uma aglomeração tumultuosa de machos e f ê m e a s . Uns , a p ó s o u t r o s , l a v a v a m a c a r a , incomodamente, debaixo do f io de água que escorria da altura de uns cinco palmos. O chão inundava-se. As mulheres precisavam já prender as saias entre as coxas para não as molhar; via-se lhes a tostada nudez dos braços e do pescoço, que elas despiam, suspendendo o cabelo todo para o alto do casco; os homens, esses não se preocupavam em não molhar o pelo, ao contrário metiam a cabeça bem debaixo da água e esfregavam com força as ventas e as barbas, fossando e fungando contra as palmas das mãos. As portas das latrinas não descansavam. Aluísio Azevedo, O Cortiço

São características desse texto, consideradas típicas do Naturalismo, entre outras:
a) o idealismo, o comportamento determinista.
 b) a ênfase no aspecto material da vida, o comportamento sofisticado.
c) as comparações dos seres humanos com animais, a promiscuidade.
d) a representação objetiva da vida, o endeusamento do ser humano.
e) a fuga à realidade, o positivismo exacerbado.

11. (UFSM-RS) Assinale a alternativa correta a respeito de O Cortiço.
 a) Na descr ição do ambiente, são enfatizadas a degradação e a promiscuidade das personagens.
b) O texto retrata um estágio do desenvolvimento urbano de São Luís do Maranhão.
c) A narrativa nega a relação entre o ambiente e o destino das personagens.
 d) Entre tantas personagens mesquinhas, João Romão é apresentado como generoso. e) Contrariando a lógica naturalista, não há, em O Cortiço, referência à sexualidade das personagens.

Um acordar alegre e farto de quem dormiu, de uma assentada, sete horas de chumbo. (...) O rumor crescia, condensando-se; o zunzum de todos os dias acentuava-se; já se não destacavam vozes dispersas, mas um só ruído compacto que enchia todo o cortiço. Começavam a fazer compras na venda; ensarilhavam-se discussões e rezingas; ouviam-se gargalhadas e pragas; já se não falava, gritava-se. Sentia-se naquela fermentação sanguínea, naquela gula viçosa de plantas rasteiras que mergulham os pés vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra.

12. (UFViçosa-MG) Em O Cortiço, Aluísio Azevedo reafirma a ideologia do Naturalismo e cumpre à risca alguns princípios cientificistas vigentes na segunda metade do século XIX. Dentre as alternativas a seguir, assinale aquela que não corresponde às propostas da escola Naturalista.
a) O caráter determinista da obra tem como símbolo a personagem Pombinha, que, se antes era "pura" e de boa conduta moral, acaba prostituindo-se por força daquele meio sórdido e animalesco.
b) O narrador de O Cortiço acentua o lado instintivo do s e r humano através de um processo de zoomorfização, identificando seus personagens a diferentes animais, sobretudo a insetos e vermes, quando os descreve em seu vaivém pelo cortiço.
c) Ao enfatizar as atitudes inescrupulosas de João Romão para com os habitantes do cortiço, em especial para com a negra Bertoleza, o autor confirma as preocupações sociais do Naturalismo em sua inclinação reformadora.
d) Os personagens de O Cortiço constituem-se, em sua maioria, dos operários das pedreiras, das lavadeiras e de outros miseráveis que ali vivem de forma degradante, o que evidencia a preferência do escritor naturalista pelas camadas mais baixas da sociedade.
 e) Em O Cortiço, Aluísio Azevedo exprime um conceito naturalista da vida e, ao idealizar seus personagens, integraos a elementos de uma natureza convencional.

13. (UFViçosa-MG) Leia o texto a seguir, de O Cortiço, e faça o que se pede: Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas a sua infinidade de portas e janelas alinhadas. Aluísio Azevedo Assinale a alternativa que não corresponde a uma possível leitura do fragmento citado:
a) No texto, o narrador enfatiza a força do coletivo. Todo o cortiço é apresentado como um personagem que, aos poucos, acorda como uma colmeia humana.
b) O texto apresenta um dinamismo descritivo, ao enfatizar os elementos visuais, olfativos e auditivos.
c) Através da descrição do despertar do cortiço, o narrador apresenta os elementos introspectivos dos personagens, procurando criar correspondências entre o mundo físico e o metafísico.
d) O discurso naturalista de Aluísio Azevedo enfatiza nos personagens de O Cortiço o aspecto animalesco, "rasteiro" do ser humano, mas também a sua vitalidade e energia naturais, oriundas do prazer de existir.
 e) Observa-se, no discurso de Aluísio Azevedo, pela constante utilização de metáforas e sinestesias, uma preocupação em apresentar elementos descritivos que comprovem a sua tese determinista.