quarta-feira, 26 de agosto de 2015

terça-feira, 18 de agosto de 2015

As Funções do QUE




7 Funções

1) substantivo
2) pronome
3) advérbio
4) preposição
5) interjeição
6) partícula expletiva
7) conjunção



1) SUBSTANTIVO

Ocupa o lugar de um substantivo com sentido genérico de “algo”, “alguma coisa”.

Nesse caso, o “que” é acentuado e precedido de artigo ou palavra adjetiva.




2) PRONOME

A) Pronome substantivo indefinido

Equivale a “que coisa”, funciona como núcleo de uma função própria de substantivo (como sujeito, objeto, complemento nominal etc.)




B) Pronome adjetivo indefinido

O “que” é um pronome adjetivo indefinido quando se associa a um substantivo, funcionando como adjunto adnominal.


C) Pronome relativo

Liga duas orações entre si, projetando um termo da oração antecedente dentro da oração sequente.

Sempre faz referência a um termo anterior e equivale a “o qual”, “a qual”, “os quais”, “as quais”.



 
O pronome relativo “que” desempenha função sintática: sujeito, objeto, etc.

Essa função sintática depende do termo a que o pronome relativo faz referência.

Na frase acima, o “que” é complemento do verbo “trazer”. Conforme vimos, o “que” refere-se ao termo “as flores”.


Ele trouxe o quê?
Resposta: as flores


O termo “as flores” é objeto direto do verbo “trazer”

Como o “que” faz referência ao termo “as flores”, a função sintática do pronome relativo “que” é de objeto direto



3) ADVÉRBIO

O “que” é um advérbio quando se liga a um adjetivo ou a um advérbio como intensificador.

Nesse caso, o “que” é equivalente a “quão”.





















4) PREPOSIÇÃO

O “que” é uma preposição quando, equivalente a “de”, liga dois verbos em locução.

 


5) INTERJEIÇÃO

O “que” é uma interjeição quando exprime uma emoção.




6) PARTÍCULA EXPLETIVA

A partícula expletiva é também chamada partícula de realce ou expressão clivada.

O que é uma partícula expletiva quando pertence à locução “é que”.


                             Expressão “é que” pode aparecer junta ou separada na sentença:

 
                             É possível tirar o verbo “ser” da expressão:

 
                             É possível tirar toda a expressão sem alterar o sentido da sentença:


 


7) CONJUNÇÃO

O “que” é uma conjunção quando, sem ter função sintática no interior da sentença, estabelece uma relação semântica ou sintática entre duas orações.






Nessa frase, a oração “que vai piorar” seria a causa/motivo da oração “não fale”.

O “que” introduz uma oração causal.




  



Nessa frase, a oração “que você entenda isso” é um argumento do verbo “querer” – trata-se do objeto direto do verbo “querer”. Veja:



Quero o quê
Resposta: que você entenda isso.



O termo que responde a pergunta “o quê?” feita ao verbo é um objeto direto. Nesse caso, temos uma oração inteira funcionando como objeto direto.

Quando uma oração exerce a função de objeto direto, podemos classificá-la com oração subordinada substantivo objetiva direta.

O “que” que introduz uma oração subordinada substantiva é chamado conjunção integrante.



Aulas de Português para concurso


Redação do ENEM: Mais do que escrever, é preciso saber do que está falando.


Podemos dizer, então, que um candidato que escreve bem o faz porque estuda não somente português, mas também porque tem um bom domínio sobre conhecimentos gerais e um certo nível de cultura literária. Ambos necessários para uma produção textual de qualidade.

Por meio de uma prova de redação, a única parte subjetiva e aberta da prova do ENEM, os examinadores podem avaliar a forma de raciocínio dos candidatos, como interpretam o enunciado e os textos de apoio, sua habilidade em relacionar o tema proposto com a sua realidade e emitir opiniões.

Ou seja, é uma prova completa que permite uma avaliação extensiva dos conhecimentos do participante do concurso.

Por todos esses motivos, é importante dar uma atenção especial à redação na prova do ENEM. 
Para se tornar um candidato de destaque e aumentar as suas chances de ter uma boa pontuação, é essencial que se aprenda a valorizar a escrita e que a pratique bastante.

Agora que você entende um pouco melhor a importância de se produzir um texto de qualidade para a prova do ENEM, invista nas habilidades necessárias para que isso seja possível e você não fique de fora no próximo processo seletivo.


terça-feira, 4 de agosto de 2015

Interpretação de tema - Redação para PMMG

I
Nessa postagem, a ideia é trabalhamos a interpretação do tema da redação. Muitos candidatos recebem notas baixas justamente pela falta de compreensão da proposta.

Após leitura do texto de apoio e da frase-tema, que caminhos se podem seguir? Que ponto de vista poderá ser defendido?

Pense a respeito, apresente suas ideias nos comentários, logo farei minhas considerações.
Importante: não tenha vergonha de se expor. Diga, sem medo, o que escreveria se se deparasse com o tema em questão. O importante é construirmos um espaço de troca por aqui.

Uso como base o tema da prova de admissão ao curso de formação de oficiais da Polícia Militar de Minas Gerais.

Vamos lá? Veja o texto de apoio:

“Quando pensamos em impunidade, lembramos imediatamente em falta de castigo. Sob o enfoque jurídico, podemos relacionar impunidade com a não aplicação de determinada pena criminal a determinado caso concreto. A lei traz a previsão de que para cada delito, há sua correspondente punição. Quando o infrator não é alcançado, seja pela morosidade do aparato legal, pela fuga, pela deficiência da investigação, ou por qualquer fato posterior de tolerância, o crime permanecerá impune. Em latim tem-se que: “impunitas peccandi illecebra”, que significa impunidade estimula delinquência. ”
                                  
 Com base nas informações apresentadas, redija um texto dissertativo argumentativo sobre o tema: “A impunidade e as práticas criminosas no Brasil”.