quarta-feira, 28 de maio de 2014

Curso de redação e atualidades - preparatório para o ENEM ~ em Uberlândia!





Início em 15 de Julho de 2014
Turmas: manhã, tarde ou noite!
Apenas 10 alunos por turma!
Para mais informações ligue:
(34) 3086 9696 / 3237 5844 / 9149 2401

terça-feira, 27 de maio de 2014

Sobre o uso da vírgula




Sabemos que a vírgula indica pausa, mas é bom lembrar que essa pausa não depende da nossa capacidade respiratória.
É lenda a tal história que devemos pôr vírgula toda vez que respiramos. Se fosse verdade, um asmático ou alguém com dificuldade respiratória poria uma vírgula atrás da outra, e um mergulhador, com fôlego extraordinário, seria capaz de escrever um texto de vinte linhas sem uma virgula sequer.
A verdade é que o mal uso das vírgulas pode acarretar sérios problemas. Vejamos alguns exemplos em que a posição da vírgula altera o sentido da frase:

1)      “No portão 7, torcedores do Flamengo protestavam contra a diretoria do clube” ou “ No portão, 7 torcedores do Flamengo protestavam contra a diretoria do clube”.
No primeiro caso, 7 é o número do portão, onde os torcedores do Flamengo fazem seu protesto (no portão 7 é o adjunto adverbial de lugar deslocado na frase); no segundo, são apenas 7 torcedores que protestavam (protesto fraquinho, pois 7 torcedores é pouco, um número nada significativo comparado ao tamanho da torcida do Flamengo).

2)      “Antes de sair disfarçadamente, ele passa um bilhete à moça” ou “ Antes de sair, disfarçadamente ele passa um bilhetinho à moça. ”
 Agora a vírgula indica o verbo ao qual o advérbio “ disfarçadamente” se refere. Primeiro, disfarçadamente é o modo como ele saiu; no outro caso, disfarçadamente é o modo como ele passou o bilhetinho à moça.
Outro tipo de problema é a opção pela vírgula ou pela conjunção aditiva “e” no final de enumeração: “Foram convocados alguns jogadores do Paraná: Alcides, Cléber, Luís Antônio, Álvaro, Carlinhos Baiano” ou “Alcides, Cléber, Luís Antônio, Álvaro e Carlinhos Baiano”. Com a vírgula, podemos entender que haja mais convocados; com a conjunção aditiva “ e”, devemos entender que a lista está completa (foram convocados apenas os cinco citados).
Para terminar, observe as frases a seguir: “Os bombeiros foram chamados; logo, todos podem ficar calmos” e “Os bombeiros foram chamados logo, todos podem ficar calmos”. É interessante observar como a pontuação altera o sentido da palavra “logo”. No primeiro caso, significa “portanto, então, por conseguinte”. Trata-se de uma conjunção coordenativa conclusiva. No segundo caso, significa “imediatamente, em seguida”. Trata-se de um advérbio de tempo.

Assim, faz-se necessário analisar todos os usos da vírgula como exclusivos, não relegando-a a mera capacidade respiratória.

Visite a nossa fanpage: https://www.facebook.com/palavraperfeita?ref=hl



Turmas diferenciadas por idade - crianças, adolescentes e adultos!




domingo, 18 de maio de 2014

Aula sobre as obras de leitura obrigatória ( Madame Bovary e o Colecionador de pedras) para o vestibular de medicina UNIPAC/Araguari - 2014 em Uberlândia/MG





Palavra Perfeita oferece no próximo sábado(24?05/2014), das 08:00 às 11:30hs, o aulão de literatura sobre as obras: Madame Bovary deGustave Flaubert e o Colecionado de pedras de Sérgio Vaz.
O aluno participante receberá uma apostila com as análises das duas obras e questões para fixação da leitura das referidas obras.

Para informações ligue:

(34) 9149 2401 / 3086 9696

O endereço da Palavra Perfeita é:: Rua Francisco Sales, 17 - Sala 03 - Centro - Uberlândia/MG

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Curso de Redação e Língua Portuguesa para o Concurso da Polícia Civil - Minas Gerais - 2014 - em Uberlândia

Curso de Interpretação, análise e produção textual para o Concurso da Polícia Civil - Minas Gerais
   A Polícia Civil de Minas Gerais está com concurso público aberto para o preenchimento imediato de 1.000 vagas para o cargo de investigador policial, que exige formação em nível superior em qualquer área. A remuneração inicial básica é de R$ 2.766.94, para jornada de 40 horas semanais.
   Inscrições no site: ww.acadepol.mg.gov.br  entre os dias 9 de junho de 2014 a 10 de julho de 2014. A aplicação da prova objetiva ocorrerá no dia 10 de agosto de 2014, na cidade de Belo Horizonte.

A  Palavra Perfeita capacita você a sair na frente nas provas de Língua Portuguesa. Venha estudar aqui!

Informações:
(34) 3086 9696 / 9149 2401
Rua Francisco Sales, 17 - conjunto de salas 03 - Centro
Uberlândia/MG
contato@palavraperfeita.com.br



Veja o programa a ser estudado:


1. PROGRAMA DE LÍNGUA PORTUGUESA 

1.1. Interpretação e compreensão de textos. 
1.1.1. Identificação de tipos textuais: narrativo, descritivo e 
dissertativo. 

1.1.2. Critérios de textualidade: coerência e coesão. 

1.1.3. Recursos de construção textual: fonológicos, morfológicos, 
sintáticos e semânticos. 

1.1.4. Gêneros textuais da Redação Oficial. 
1.1.4.1. Princípios gerais. 
1.1.4.2. Uso dos pronomes de tratamento. 
1.1.4.3. Estrutura interna dos gêneros: ofício, memorando, 
requerimento, relatório, parecer. 

1.2. Conhecimentos linguísticos. 
1.2.1. Conhecimentos gramaticais de acordo com o padrão culto da 
língua. 

1.2.2. Princípios gerais de leitura e produção de texto. 
Intertextualidade. Tipos de discurso. Vozes discursivas: citação, 
paródia, alusão, paráfrase, epígrafe. 
1.2.3. Semântica: construção de sentido; sinonímia, antonímia, 
homonímia, paronímia, polissemia; denotação e conotação; figuras de 
linguagem. 
1.2.4. Pontuação e efeitos de sentido. 
1.2.5. Sintaxe: oração, período, termos das orações; articulação das 
orações: coordenação e subordinação; concordância verbal e nominal; 
regência verbal e nominal. 

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Escrever melhor profissionalmente influencia na sua carreira e na sua imagem Usar linguagem simples, clara e precisa são boas dicas para se tornar um comunicador melhor




“Clareza é a característica mais importante da boa escrita do negócio”, afirma Mignon Fogarty, criador de podcasts que dão dicas para escrita. “Muitas vezes os empresários usam palavras grandes porque querem parecer inteligente, e isso é perceptível.”
Comece a escrever frases curtas e nunca use uma palavra longa quando você pode usar uma curta que terá o mesmo sentido. Seja implacável sobre a auto edição: se você não precisa de uma palavra, corte-a. Nunca use uma frase estrangeira, uma palavra científica, ou qualquer tipo de jargão.
Ao escrever um e-mail, faça o seu ponto e siga em frente. Se a sua grande ideia não está no primeiro parágrafo, coloque-a lá. ”Simplicidade não significa simplicidade de pensamento”, explica Kara Blackburn, professora de comunicação na Sloan School of Management, em Massachussets, Estados Unidos. “Comece perguntando a si mesmo o que você quer que a pessoa faça como resultado deste e-mail.”
Sempre que possível, use verbos ativos, que ajudam a energizar sua prosa, em vez de passivos. Em vez de escrever “a reunião foi conduzida por Tom”, escreva “Tom conduziu a reunião.”
Por ultimo, cuidado com os erros gramaticais comuns, como a concordância entre sujeito e verbo.
Siga a FORBES Brasil no Twitter (@forbesbr), no Facebook (ForbesBrasil) e no Instagram (@forbesbr).

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Curso de redação em Uberlândia!



Você sofre de algum mal da escrita? Gosta de desafios?

Se respondeu sim a essas duas perguntas, venha conhecer o método da Palavra Perfeita que enquanto ensina e habilita para escrever qualquer tipo de texto, estimula e facilita a criatividade, a formulação do discurso oral (oratória) e liberta você daquele friozinho na barriga (o medo de escrever) ao se deparar com uma página em branco.



Por meio de processos que seduzem o aprendiz, a leitura e a escrita tornam-se ato de prazer e liberdade. Venha conhecer nossa escola em Uberlândia-MG.

                                                             Aguardamos a sua ligação!



domingo, 4 de maio de 2014

Curso Leitura, escrita e criatividade - para todas as idades - em Uberlândia/MG






Veja todas as informações sobre esse curso que terá início no próximo dia 13 de maio de 2014

A proposta é não deixar para desenvolver a competência de escrever bons textos, apenas quando estiver prestes a prestar um vestibular, um concurso público ou precisar redigir um e-mail de negócios. Comece já esse trabalho!

Curso: Escrita e criatividade para crianças e adolescentes

Turmas separadas para crianças de 05 a 09 anos.

Inegável é o fato de que vivemos em tempos de analfabetismo literário. O português, língua de poetas, falada por milhões de pessoas espalhadas pelo mundo, é cada vez mais maltratada por nós, os brasileiros. Impera o caos linguístico, as dificuldades com a leitura (interpretação de textos) e com a escrita. É um problema que ninguém, sobretudo ao nível dos parâmetros educativos, poderá negar, e, mais do que isso, desprezar. 

Agir – tentar soluções! De que forma? Rever caminhos, delimitar estratégias que façam da literatura e do estudo da leitura e escrita de nossa língua um ato de prazer, liberdade e de criatividade.
É isso o que intentamos aqui na Palavra Perfeita: fazer fluir a criatividade, a imaginação e o prazer, por meio de processos que cativem e seduzam o aprendiz e o prepare, não apenas para ser aprovado na escola ou no vestibular, mas para um processo que não se esgota com o tempo, que não se esquece logo após a prova terminada.

Iniciar com crianças e jovens, adultos, estudantes de graduação e profissionais de qualquer área o trabalho com a literatura é fundamental para a formação da personalidade, da capacidade leitora, discursiva e e de um enorme conjunto de potencialidades fundamentais para a formação intelectual verdadeiramente efetiva.

Objetivos

·      Transformar a escrita numa atividade lúdica e criativa, num ato dinâmico e espontâneo, aprimorando a capacidade linguística;
·      Conhecer os vários tipos de escrita: coloquial, literária, informal, poética, jornalística, etc.; Promover a sociabilidade, desinibição e integração ao grupo; 
·      Aperfeiçoar a ortografia; 
·      Aprender a olhar, observar e escrever sobre fatos vivenciados e/ou ouvidos; 
·      Dar-se a chance de descobrir o gosto pela escrita e pela leitura; 
·      Desenvolver a capacidade linguística, favorecendo a escrita; 
·      Identificar dificuldades da escrita, agindo para superá-las; 
·      Estimular a disciplina, organizando as atividades com a leitura e a escrita;

Cronograma – Escrita e criatividade – Crianças e Adolescentes 

Manhã:
 9:00 as 11:00hs  
Tarde:  
 14:00 as 16:00hs 
Noite
   19:00 as 21hs

Temos opções para:

Segundas e sextas feiras
ou
Terças e quintas  feiras


Duração: 6 meses 

Valor total do curso:

 1.050,00 

Valor mensal: 
175,00 mensais 



Caso queira conhecer o conteúdo de cada curso envie-nos um e-mail para:

contato@palavraperfeita.com.br     ou  ligue: (34) 9149 2401 / 3086 9696

Cursos de redação em Uberlâmdia


Temos um curso na medida certa para você!
Venha conhecer o nosso espaço: Rua Francisco Sales, 17 - conjunto de salas 3 -
Bairro: Centro - Uberlândia/MG
Telefones: (34) 9149 2401 / 3086 9696

Visite a nossa Fanpage: https://www.facebook.com/palavraperfeita


Características do RELATO PESSOAL


·        Verbos e pronomes são empregados em primeira pessoa;
·        Narra fatos reais vividos por uma pessoa;
·        De forma subjetiva, detalhada e, geralmente com linguagem culta;
·        O assunto deve ser abordado de forma a destacar a participação ou o ponto de vista do enunciador sobre o que é relatado – fato ocorrido no passado e apresentar elementos básicos da narrativa como: sequência de fatos, pessoas, tempo e espaço;
·        O narrador é protagonista;
·        O tempo verbal oscila entre o pretérito perfeito e o presente do indicativo;.

Exemplo de Relato Pessoal

MINHA PRIMEIRA PROFESSORA
A primeira presença em meu aprendizado escolar que me causou impacto, e causa até hoje, foi uma jovem professorinha. É claro que eu uso esse termo, professorinha, com muito afeto. Chamava-se Eunice Vasconcelos (1909-1977), e foi com ela que eu aprendi a fazer o que ela chamava de "sentenças".
Eu já sabia ler e escrever quando cheguei à escolinha particular de Eunice, aos 6 anos. Era, portanto, a década de 20. Eu havia sido alfabetizado em casa, por minha mãe e meu pai, durante uma infância marcada por dificuldades financeiras, mas também por muita harmonia familiar. Minha alfabetização não me foi nada enfadonha, porque partiu de palavras e frases ligadas à minha experiência, escritas com gravetos no chão de terra do quintal.
Não houve ruptura alguma entre o novo mundo que era a escolinha de Eunice e o mundo das minhas primeiras experiências - o de minha velha casa do Recife, onde nasci, com suas salas, seu terraço, seu quintal cheio de árvores frondosas. A minha alegria de viver, que me marca até hoje, se transferia de casa para a escola, ainda que cada uma tivesse suas características especiais. Isso porque a escola de Eunice não me amedrontava, não tolhia minha curiosidade.
Quando Eunice me ensinou era uma meninota, uma jovenzinha de seus 16, 17 anos. Sem que eu ainda percebesse, ela me fez o primeiro chamamento com relação a uma indiscutível amorosidade que eu tenho hoje, e desde há muito tempo, pelos problemas da linguagem e particularmente os da linguagem brasileira, a chamada língua portuguesa no Brasil. Ela com certeza não me disse, mas é como se tivesse dito a mim, ainda criança pequena: "Paulo, repara bem como é bonita a maneira que a gente tem de falar!..." É como se ela me tivesse chamado.
Eu me entregava com prazer à tarefa de "formar sentenças". Era assim que ela costumava dizer. Eunice me pedia que colocasse numa folha de papel tantas palavras quantas eu conhecesse. Eu ia dando forma às sentenças com essas palavras que eu escolhia e escrevia. Então, Eunice debatia comigo o sentido, a significação de cada uma.
Fui criando naturalmente uma intimidade e um gosto com as ocorrências da língua - os verbos, seus modos, seus tempos... A professorinha só intervinha quando eu me via em dificuldade, mas nunca teve a preocupação de me fazer decorar regras gramaticais.
Mais tarde ficamos amigos. Mantive um contato próximo com ela, sua família, sua irmã Débora, até o golpe de 1964. Eu fui para o exílio e, de lá, me correspondia com Eunice. Tenho impressão de que durante dois anos ou três mandei cartas para ela. Eunice ficava muito contente.
Não se casou. Talvez isso tenha alguma relação com a abnegação, a amorosidade que a gente tem pela docência. E talvez ela tenha agido um pouco como eu: ao fazer a docência o meio da minha vida, eu termino transformando a docência no fim da minha vida.
Eunice foi professora do Estado, se aposentou, levou uma vida bem normal. Depois morreu, em 1977, eu ainda no exílio. Hoje, a presença dela são saudades, são lembranças vivas. Me faz até lembrar daquela música antiga, do Ataulfo Alves: "Ai, que saudade da professorinha, que me ensinou o bê-á-bá' (Paulo Freire, publicado pela Revista Nova Escola em dezembro de 1994).