terça-feira, 29 de abril de 2014

Aulão com análise rápida das obras exigidas pelo vestibular de Medicina na UNIPAC (Araguari): "O colecionador de pedras", de Sérgio Vaz, e "Madame Bovary", de Gustave Fleubert.



Em virtude da grande procura a Palavra Perfeita oferece no próximo sábado(24?05/2014), das 08:00 às 11:30hs, o aulão de literatura sobre as obras: Madame Bovary de Gustave Flaubert e o Colecionado de pedras de Sérgio Vaz.
O aluno participante receberá uma apostila com as análises das duas obras e questões para fixação da leitura das referidas obras.

Para informações ligue:

(34) 9149 2401 / 3086 9696

O endereço da Palavra Perfeita é:: Rua Francisco Sales, 17 - Sala 03 - Centro - Uberlândia/MG



domingo, 27 de abril de 2014

Para declarar seu imposto de renda

Análise de Sagarana - Guimarães Rosa


Sagarana é a primeira obra de Guimarães Rosa a sair em livro, traz nove contos, nos quais o universo do sertão, com seus vaqueiros e jagunços, surge no estilo marcante que o escritor iria aprofundar em textos posteriores.
O livro de estreia de João Guimarães Rosa foi publicado em sua versão final em 1946. Os contos começaram a ser escritos em 1937, sendo escolhido neste ano para concorrer ao prêmio literário “Graça Aranha”, patrocinado pela Livraria José Olympio. Apesar de ser bastante comentado pela crítica, ficou em segundo lugar e não foi escolhido para ser publicado.

Para o lançamento definitivo de Sagarana, a obra foi reduzida de 500 para 300 páginas, sendo composta de nove contos / novelas. Nesse processo, o autor filtrou o que havia de melhor no texto, utilizando em seu peculiar processo de invenção de palavras o hibridismo – que consiste na formação de palavras pela junção de radicais de línguas diferentes. O título do livro é composto dessa forma. Saga, radical de origem germânica, quer dizer “canto heróico”; rana, na língua indígena, significa “espécie de”.
O livro que se destaca por expor de forma nítida toda a inventividade do autor no trato com a linguagem literária.

A obra de Guimarães Rosa apresenta um regionalismo de novo significado: a fusão entre o real e o mágico, de forma a radicalizar os processos mentais e verbais inerentes ao contexto fornecedor de matéria-prima, traz à tona o caráter universal. O folclórico, o pitoresco e o documental cedem lugar a uma maneira nova de repensar as dimensões da cultura, flagrada em suas articulações no mundo da linguagem.
De cunho regionalista, Saragana surpreendeu a crítica e levou o escritor ao renome, em virtude da originalidade de sua linguagem e de suas técnicas narrativas, que apontavam uma mudança substancial na velha tradição regionalista.

Voltada para as forças virtuais da linguagem, a escritura de Guimarães Rosa procede abolindo intencionalmente as barreiras entre narrativa e lírica, revitalizando recursos da expressão poética: células rítmicas, aliterações, onomatopeias, rimas internas, elipses, cortes e deslocamentos sintáticos, vocabulário insólito, com arcaísmos e neologismos, associações raras, metáforas, anáforas, metonímias, fusão de estilos.
Imerso na musicalidade da fala sertaneja, o autor procurou fixá-la na melopeia de um fraseio no qual soam cadências populares e medievais.
As estórias desembocam sempre numa alegoria, e o desenrolar dos fatos prende-se a um sentido ou "moral", à maneira das fábulas. As epígrafes, que encabeçam cada conto, condensam sugestivamente a narrativa e são tomadas da tradição mineira, dos provérbios e cantigas do sertão.

A obra começa com uma epígrafe, extraída de uma quadra de desafio, que sintetiza os elementos centrais da obra - Minas Gerais, sertão, bois, vaqueiros e jagunços, o bem e o mal:
"Lá em cima daquela serra, passa boi, passa boiada, passa gente ruim e boa, passa a minha namorada".

Elementos Estruturais
Os narradores de Sagarana têm o estilo marcante criado por Guimarães Rosa, cuja principal característica é a oralidade. No entanto, esse traço ainda não está tão acentuado como em obras posteriores, como Grande Sertão: Veredas e Primeiras Estórias, entre outras. Considerando que a oralidade acentuada é um dos principais obstáculos para a leitura de Guimarães Rosa, o livro Sagarana é uma excelente opção para iniciar-se na obra do autor.

Em relação ao foco narrativo, com exceção dos contos “Minha Gente” e “São Marcos” – que são narrados em primeira pessoa –, os demais possuem narradores em terceira pessoa. Quanto ao tempo e ao espaço de Sagarana, pouco há o que ser dito. Sobre o primeiro elemento, vale destacar a linearidade da narrativa, que se desenvolve na maior parte sob o tempo psicológico dos personagens. O espaço é quase sempre Minas Gerais. Mais especificamente, o interior do estado. Vale uma atenção maior para o nome dos povoados e vilarejos dos contos. Os estados de Goiás e do Rio de Janeiro são mencionados no livro, mas têm pouca relevância na narrativa.

Resumo e análise
A volta do Marido Pródigo

Enredo
Lalino é um sujeito simpático, espertalhão e falante, avesso ao trabalho, sabe como poucos contar uma estória. A chave para entendê-lo melhor está em suas contínuas alusões a peças de teatro, quase sem ter visto nenhuma. Ele parece constantemente representar, em tudo o que faz ou fala. Assim, sai-se bem em tudo o que faz.

· Essas são as aventuras de um herói picaresco, Eulálio Salãthiel (Lalino), que abandona a mulher após seis meses de casado e vai conquistar o mundo. Antes de viajar, consegue extorquir algum dinheiro de um espanhol interessado nela e que dela iria tomar conta. Sua esposa,
Maria Rita, abandonada por ele, passa a morar com o espanhol Ramiro.
Ao vender Ritinha, o protagonista abre mão do que lhe é mais caro, mas que ele ainda não é, naquele momento, capaz de perceber.
Desiludido com o Rio de Janeiro retorna à sua terra e urde um plano para recuperar a mulher - Maria Rita - e o prestígio junto ao povo do lugar. Com paciência e astúcia, vence todos os obstáculos, recupera a mulher, expulsa os espanhóis do lugarejo e reconquista o prestígio junto ao coronel para cuja vitória nas eleições contribui.

Após ter passado por tudo o que passou, o Lalino do final não é mais a mesma pessoa, que se engana no que decide fazer e apressa-se a reparar o erro, nem tampouco se utiliza de todos os seus atributos de astúcia e malandragem para recuperar o que havia perdido, mas sim, aprende a dar importância às coisas que realmente devem ter importância atribuída.
Ele agora tem plena consciência de que deve cuidar de seu tesouro mais precioso, pois, do contrário, corre o risco de entregá-lo, mais uma vez, de mãos beijadas, a quem o estiver cobiçando.
Através de ironia claramente perceptível, o autor mostra lendas populares da região dos Campos Gerais de Minas, assim como ditados que louvam a esperteza e a paciência.

Personagens
1. Lalino Salãthiel: todos o chamam de Laio. Mulato vivo, malandro, contador de histórias. Garante que conhece a capital, Rio de Janeiro, mas nunca foi lá. Certa vez, foi realmente conhecê-la.
2. Maria Rita: mulher de Lalino; trata-o com especial carinho.
3. Marra: encarregado dos serviços; depois que a obra acabou, mudou-se do arraial.
4. Ramiro: espanhol que ficou com Ritinha, a mulher de Lalino.
5. Waldemar: Chefe da Companhia.
6. Major Anacleto: chefe político do distrito, homem de princípios austeros, intolerante e difícil de se deixar engambelar.
7. Tio Laudônio: irmão do Major Anacleto. Esteve no seminário, vivia isolado na beira do rio. Poucas vezes vinha ao povoado. Chorou na barriga da mãe, enxerga no escuro, sabe de que lado vem a chuva e escuta o capim crescer. Era conselheiro do Major.
8. Benigno: inimigo político do Major Anacleto.
9. Estevão: capanga respeitado do Major Anacleto. Jamais ria. Tinha pontaria invejável: atirava no umbigo para que a bala varasse cinco vezes o intestino e seccionasse a medula, lá atrás. Cenário
Fazenda da Tampa, do Major Saulo, no interior de Minas Gerais.

Análise do conto
A narrativa aproxima-se das novelas picarescas e é um retrato bem-humorado das oscilações interesseiras das convicções políticas do interior.
Novamente temos um burrinho, animal que, como os bois e cavalos, é presença obrigatória nos contos de Sagarana, que a crítica define como um verdadeiro "tratado de bovinologia". Esses animais são humanizados e alegorizam a própria condição humana.

Características do conto
· Conto narrado em 3ª pessoa
· narrador onisciente, (não participa da história).
· Conto, farto em citações de lugares e personagens da região de Itaguara, assim como em conversa de bois, os animais se transformam em heróis, questionando o saber dos homens com o seu suposto não saber.
· O conto é uma paródia da "parábola do filho pródigo”.
· Apresenta traços de humor, presentes, principalmente, na maneira pela qual a personagem protagonista é caracterizada como malandro folclórico. Essa questão também é amparada na concepção de mundo às avessas presente na narrativa.
· Não existe julgamento moral a respeito de nenhuma das atitudes de Lalino, que poderiam, segundo o senso comum, ser consideradas “más”.
· Personagens do texto ditas respeitáveis são descritas como “não tão respeitáveis assim”. No entanto, em qualquer caso, a leveza e a ironia com que tais situações de desregramento moral são apresentadas amenizam a seriedade que o tratamento desses assuntos poderia assumir.
· Na releitura(da Parábola do filho pródigo, encontrado na Bíblia) de Guimarães Rosa há uma visão bem diferente daquela encontrada no ensinamento moral que a parábola pretendeu passar.
· No conto, o que importa é retratar a personagem do malandro, do típico brasileiro que, para tudo, dá um “jeitinho”.

Resumo do conto
Na introdução do conto o cenário é apresentado: homens trabalham duro escavando o solo para dele retirar minério. Seu Marra é o encarregado, de olho em todos para que o trabalhe ande a contento. Lalino Salãthiel é um mulato vivo, malandro, que chega tarde ao trabalho e inventa desculpas. Em vez de trabalhar duro, como os outros, inventa histórias, conta causos. A maioria admira-o. Mas há quem enxergue nele apenas um aproveitador. Generoso acha que Ramiro, um espanhol, anda rondando a mulher de Lalino.
Laio, naquela noite, não comparece à casa de Waldemar para a aula de violão. No outro dia, fica em casa vendo umas revistas com fotografias de mulheres. À tarde, vai à empresa e acerta as contas com Marra. Está disposto a ir embora. Na volta para casa, encontra Ramiro, o espanhol que lhe anda cercando Maria Rita. Nasce, imediatamente, um plano: tomar um dinheiro emprestado do espanhol. O argumento é convincente: quer ir embora sem a mulher, mas falta-lhe dinheiro para viajar. Ramiro empresta-lhe um conto de réis. Com o dinheiro no bolso, Laio pegou o trem na estação rumo à capital do País. Seu Miranda, que foi levá-lo, ainda tentou dissuadi-lo. Não conseguiu.
Um mês depois, Maria Rita ainda vivia chorando, em casa. Três meses passados, Maria Rita estava morando com o espanhol. Todos diziam que Laio
era um canalha, que vendera a mulher para Ramiro. E assim, passou-se mais de meio ano.
As aventuras de Lalino Salãthiel no Rio de Janeiro excederam à expectativa. Seis meses depois, Laio estava quase sem dinheiro e começou a sentir saudades. Tomou a decisão: ia voltar. Separou o dinheiro da passagem e programou uma semana de despedida: "uma semaninha inteira de esbórnia e fuzuê". Acabada a semana, Laio pegou o trem: queria só ver a cara daquela gente quando o visse chegar!
Enquanto atravessava o arraial, Laio teve que ir respondendo às chufas dos moradores. Finalmente, chegou à casa de Ramiro, o espanhol que se apossou de Ritinha. Laio informou-lhe que estava de volta para devolver o dinheiro do empréstimo. Ramiro, querendo evitar que Laio visse Ritinha, perdoou o empréstimo: a dívida já estava quitada. Mas Laio insistiu: "eu quero-porque-quero conversar com a Ritinha"! E disse isso com a mão perto do revólver. O espanhol concordou, desde que não fosse em particular. De repente, Laio esmoreceu: não queria mais ver a Ritinha. Queria só pegar o violão. Depois, quis saber se o espanhol estava tratando bem a Ritinha. E despediu-se. Primeiro pensou em ir à casa de seu Marra. Depois, dirigiu-se para a beira do igarapé: era tempo de melancia. Depois de apreciar a paisagem, Laio deu de cara com seu Oscar. Trocaram idéias, e Oscar prometeu que ia falar com o velho (Major Anacleto) e tentar arranjar um trabalho para Laio na política.
Além de chefe político do distrito, Major Anacleto era homem de princípios austeros, intolerante e difícil de se deixar engambelar. Quando Oscar lhe falou de Laio, ele foi categórico: aquilo é um grandessíssimo cachorro, desbriado, sem moral e sem temor a Deus... Vendeu a família, o desgraçado.
Tio Laudônio era irmão do Major Anacleto. Esteve no seminário, vivia isolado na beira do rio. Poucas vezes vinha ao povoado. Chorou na barriga da mãe, enxerga no escuro, sabe de que lado vem a chuva e escuta o capim crescer. Pois foi Tio Laudônio que intercedeu a favor de Laio. O Major concordou. Era mandar chamar o mulato no dia seguinte.
Mas Laio não apareceu no dia seguinte. Só apareceu na fazenda na quarta-feira de tarde. E topou logo com o Major Anacleto. Quando o Major tentou expulsá-lo da fazenda, Laio deu-lhe notícias de todas as manobras políticas da região, quem estava com o Major e quem o estava traindo. Já descobrira a estratégia do Benigno para derrotar o Major na próxima eleição. Em troca de tanta informação, pediu a proteção do Estêvão, o capanga mais temido do Major. Assim, o povo do arraial ficou sabendo que Laio era o cabo eleitoral do Major Anacleto e, como tal, merecia respeito.
Major Anacleto, depois do relatório de Laio, mandou selar a mula e bateu para a casa do vigário. O padre teve de aceitar leitoa, visita, dinheiro, confissão e o
cargo de inspetor escolar. Antes de o Major sair, o padre contou-lhe que Laio estivera na igreja. Também se confessara e comungara e ainda trocara duas velas para o altar de Nossa Senhora da Glória.
Quando o Major e Tio Laudônio passaram em frente à casa de Ramiro, o espanhol aproveitou para denunciar Lalino: o mulato estava de amizade com Nico, o filho do Benigno. Foram juntos à Boa Vista, com violões, aguardente, e levando também o Estêvão. O Major ficou danado de zangado. Não via a hora de encontrar o Laio.
Depois de peregrinar por todas as bandas, o Major voltou para a fazenda, onde Laio já o esperava. Primeiro o Major xingou o mulato de muitos nomes feios, depois Laio teve tempo de explicar: era tudo estratégia política para saber das coisas. Passara, sim, em frente à casa de Ramiro, mas não o insultara. Dera vivas ao Brasil porque não gostava de espanhóis. E tinha mais (coisa que o Major não sabia): espanhol não vota porque é estrangeiro.
Houve um período de calmaria política em que Laio ficou tocando viola e fazendo versos no meio da jagunçada do Major. Um dia, pediu um favor a seu Oscar, filho do Major: que ele fosse ter com Ritinha e conversasse com ela, mas sem dizer que era da parte do Laio. Oscar foi e fez o contrário: falou mal do mulato, disse a Ritinha que o marido andava fazendo serenata para outras mulheres. Aproveitou a proximidade e pediu-lhe um beijo. Ritinha expulsou-o, não sem antes confessar que gostava mesmo era do Laio, que ia morrer gostando dele. De volta, seu Oscar contou o contrário: que Ritinha não gostava mais do marido gostava de verdade era do espanhol.
Certa tarde, depois de dormir um pouco na cadeira de lona, o Major foi acordado com uma barulheira dos diabos. O mulherio no meio da casa, os capangas lá fora, empunhando os cacetes, farejando barulho grosso. Ritinha jogou-se aos pés do Major e suplicou-lhe proteção. Que não deixasse os espanhóis levá-la à força dali. O Ramiro, com ciúmes, queria matá-la, matar o Laio e, depois, suicidar-se. Disse tudo isso chorando e falando na Virgem Santíssima.
O Major mandou chamar o Eulálio e foi informado de que o mulato estava bebendo juntamente com uns homens que chegaram de automóvel. Foi a conta: o Major pensou que eram da oposição e começou a xingar o Laio. Cabra safado, traidor. Ia levar uma surra, pelo menos isso. Tio Laudônio procurava acalmá-lo. De repente, lá vem o Laio dentro de um automóvel. E a surpresa foi geral. Era gente do governo, Sua Excelência o Senhor Secretário do Interior. Aí o Major desmanchou-se em sorrisos e gentilezas. E a autoridade satisfeita, elogiando muito o Laio, pedindo ao Major que, indo à capital, levasse o mulato junto.
O Major, contentíssimo, mandou trazer Maria Rita para as pazes com Laio. Convocou a jagunçada e ordenou: "mandem os espanhóis tomarem rumo"! Se miar, mete a lenha! Se resistir, berrem fogo!
SÃO MARCOS
São Marcos, segundo o próprio escritor, foi “a peça mais trabalhada do livro – Sagarana (1946)”. Isso nos dá margem para outros enfoques em seu estudo, como a importância da palavra no texto de Guimarães Rosa, que tem o poder de transformar a realidade, uma vez que é através de uma reza que o protagonista do conto se livra de um feitiço.
A teoria do realismo mágico é o que acontece no conto “São Marcos”, em que o protagonista José, diz que não acreditava em feiticeiros e magia (racional), mas andava com uma reza muito poderosa na carteira (consciência mágica), revelando assim que seu racionalismo não é de todo verdade, já que usa de meios místicos para se proteger. Ao mesmo tempo, essa reza irá simbolizar o poder que a palavra “mágica” possui dentro do texto, livrando o personagem desse feitiço no qual ele mesmo não acreditava.
Enredo
José, narrador-personagem, é supersticioso, mas mesmo assim zomba dos feiticeiros do Calango-Frito, em especial de João Mangolô. Izé, como é conhecido o protagonista, recita por zombaria a oração de São Marcos para Aurísio Manquitola e é duramente repreendido por banalizar uma prece tão poderosa.
Certo dia, caminhando no mato, Izé fica subitamente cego e passa a se orientar por cheiros e ruídos. Perdido e desesperado recita a oração de São Marcos. Guiando-se pela audição e pelo olfato, descobre o caminho certo: a cafua de João Mangolô. Lá, irado, tenta estrangular o feiticeiro e, ao retomar a visão, percebe que o negro havia colocado uma venda nos olhos de um retrato seu para vingar-se das constantes zombarias.
"São Marcos" apresenta uma notável complexidade narrativa, em que confluem, em camadas, questões sobre a criação literária, o problema da percepção, mitologias pagã e cristã, um complexo cultural e religioso de matriz afro-brasileira, conflitos entre pensamento mágico, ciência e religião. A narrativa problematiza o racismo contra o negro, remetendo o leitor ao contexto histórico do século XIX brasileiro. No conto, ocupa posição central o episódio de cegueira que vitima o narrador-protagonista, deflagrado pela contenda cultural e ideológica deste contra o negro feiticeiro João Mangolô, acusando representações hegemônicas assentadas no racismo como uma forma de "alteridade radical".
Principais personagens – José, ou Izé (narrador), Aurísio Manquitola e João Mangolô.

Resumo do conto
Calango-frito é um povoado onde se faz muita bruxaria. Mas o narrador, Jozé, ou Izé, embora supersticioso, não acredita em feitiçaria. Em suas visitas domingueiras ao mato das Três Águas sempre passa na cafua de João Mangalô zombar de seus trabalhos.
Um dia, passeando para observar a natureza, Izé encontra Aurísio Manquitola, que, sabendo que o outro conhecia a oração mágica de São Marcos conta-lhe histórias sobre seus terríveis efeitos e poderes. Após uma longa conversa, o narrador entra no meio do mato e se põe a contemplar. Começa a recordar alguns versos de desafio poético: “Quem-Será” - escritos em gomos de bambus. Envolve-se com a poesia do anônimo adversário, mas deixa para a volta a surpresa dos últimos versos. Só que, de repente fica cego e se desespera. Aos poucos vai se orientando pelos ruídos do mato, pelas vibrações dos ventos e animais.
Irrita-se com a demora da luz e profere de raiva a oração de São Marcos. Passa a andar obstinado numa única direção. Izé chega na casa do feiticeiro Mangalô e, ao esganá-lo furiosamente, volta a enxergar.
O negro velho, por brincadeira vingativa, tinha amarrado uma tira nos olhos de um boneco de bruxaria do narrador que vivia a lhe zombar.

Questões para estudo
Neste excerto, o narrador do conto "São Marcos" expõe alguns traços de estilo que correspondem a características mais gerais dos textos do próprio autor, Guimarães Rosa. Entre tais características só NÃO se encontra a) o gosto pela palavra rara.
b) o emprego de neologismos.
c) a conjugação de referências eruditas e populares.
d) a liberdade na exploração das potencialidades da língua portuguesa.
e) a busca da concisão e da previsibilidade da linguagem.
resposta:[E]

O conto "São Marcos", que integra a obra "Sagarana", de João Guimarães Rosa, apresenta linguagem marcadamente sinestésica, isto é, que ativa os órgãos sensoriais como meios de conhecimento da realidade, em suas diferentes situações narrativas. No ponto culminante da narrativa, o narrador é afetado em sua capacidade sensorial, particularmente ligada:
a) ao olfato, que lhe permite perceber o "cheiro de musgo. Cheiro de húmus.
Cheiro de água podre", bem como o "odor maciço, doce ardido, do pau d'alho".
b) à visão, que lhe permite contemplar as plantas, as aves, os insetos, as cores e os brilhos da natureza, como em "debaixo do angelim verde, de vagens verdes, um boi branco, de cauda branca".
c) ao tato, que se ativa "com o vento soprando do sudoeste, mas que mudará daqui a um nadinha, sem explicar a razão", além de lhe permitir sentir o "horror estranho que riçava-me a pele e os pelos".
d) ao paladar, ativado na mastigação "de uma folha cheirã da erva-cidreira, que sobe em tufos na beira da estrada", e usada, segundo a personagem, para "desinfetar".
e) à audição, que lhe faculta "distinguir o guincho do paturi do coincho do ariri, e até dissociar as corridas das preás dos pulos das cotias, todas brincando nas folhas secas".
resposta: [B]

No conto "São Marcos", que integra a obra Sagarana, de Guimarães Rosa, a narrativa ganha corpo ao relatar os episódios que envolvem o protagonista em suas andanças domingueiras. Ao mesmo tempo, apresenta-se marcadamente poética, com original elaboração de linguagem em que as palavras têm "canto e plumagem".
Há, inclusive, no conto, um espaço em que a construção da poesia se manifesta concretamente. Tal espaço é:
a) o bambual, cujos bambus, muito asiáticos, rumorejam aos vôos do vento e onde também se dá um floral desafio.
b) o Calango-Frito, onde mora o protagonista, que não acredita em feiticeiros.
c) o mato das Três-Águas, o "sancto-dos-sanctos", lugar de contemplação da natureza.
d) a cafua do Mangolô, de quem Izé zomba por ser negro e pela prática de feitiçaria.
e) as Rendas da Vara, onde também se escutam os sete rumores do riacho e se veem as avencas de folhagem minuciosa.
Resolução
O desafio poético, com a personagem que o narrador designa como Quem-Será, ocorre no meio do mato, entre os bambus, como indica a alternativa a.
(CEFET-PR) Sobre os contos de Sagarana é INCORRETO afirmar:
A) A volta do marido pródigo demonstra, no comportamento do protagonista, o poder criador da palavra, dimensão da linguagem tão apreciada por Guimarães Rosa.
B) Tanto em Corpo fechado quanto em Minha gente o espaço é variado, deslocando-se a ação de um lugar para outro. C) Em Duelo e Sarapalha figuram personagens femininas cujos traços não aparecem nas mulheres de outros contos.
D) O burrinho pedrês, Conversa de bois e São Marcos trabalham com a mudança de narradores.
E) A hora e a vez de Augusto Matraga não apresenta a inserção de casos ou narrativas secundárias.

(UPF) Nos contos de Sagarana, Guimarães Rosa resgata, principalmente, o imaginário e a cultura:
A) da elite nacional
B) dos proletários urbanos
C) dos povos indígenas
D) dos malandros de subúrbio
E) da gente rústica do interior
Dentre os contos de Sagarana existe um em que o narrador sustenta um duelo literário com outro poeta, chamado Quem será, e no qual se fazem várias considerações sobre a natureza da poesia. Numa metáfora do condicionamento do homem, resistente a aceitação do novo e diferente, o autor leva a personagem a passar por um período de cegueira. A partir daí a personagem descobre a mutilação dos sentidos, que agora se abrem a outras vertentes da realidade.

Em qual dos contos abaixo se discute essa questão?
a) A hora e a vez de Augusto Matraga
b) Duelo
c) Conversa de Bois
d) São Marcos
e) Corpo fechado

Precisa de alguma outra análise? Faça seu pedido aqui: https://www.facebook.com/palavraperfeita?ref=hl

É gratis!

Um presente para você! Meelhore sua capacidade de ler e escrever

sábado, 12 de abril de 2014

Curso de preparação para o Concurso da Polícia Rodoviária Federal - em Uberlândia Provas 25 de maio


Abertas inscrições para o concurso da Polícia Rodoviária Federal (PRF) para o cargo de Agente Administrativo. Você tem à sua disposição, 216 vagas de nível médio com remuneração de R$ 2.043,17  acrescida de gratificação variável de R$ 1.521,60 a R$ 1.902,00.
As inscrições devem ser feitas no site da FUNCAB , organizadora do concurso, até o dia 30 de abril de 2014. As provas objetivas estão previstas para 25 de maio e serão aplicadas em todas as capitais do país.

Palvra Perfeita tem um Curso intensivo para sua preparação de última hora! Nossos professores são preparados para trabalhar com uma metodologia diferenciada - objetiva e dinâmica - focada nas dificuldades do aluno - totalmente baseada no EDITAL e nas especificações da Banca organizadora.

Turmas de no máximo 15 alunos.
Aulas manhã, tarde ou noite!
Início: 25 de abril
Término: 24 de maio

Valor: 03 parcelas de 135,00 ou 350,00 a vista.

Mais informações nos telefones: (34) 30869696 / 3237 5844 / 9149 2401
Endereço: Rua Francisco Sales, 17 - Conjunto de salas 03 - Centro
E-mail: contato@palavraperfeita.com.br
Visite a nossa fanpage no Facebook:  https://www.facebook.com/palavraperfeita?ref=hl

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Inscrições Enem 2014 devem ser abertas em maio

Venha se prepara aqui! Temos aulas sob medida para você!

Rua Francisco Sales, 17 - Conjunto de salas 03 - Centro - Uberlândia/MG
Telefones: (34) 3086 9696 / 3237 5844 / 9149 2401

Inscrições Enem 2014 devem ser abertas em maio
O ano segue avançando e muitos de nossos leitores, na ânsia de prestar o maior exame do Brasil pela primeira vez, enviam inúmeras mensagens aflitas nos questionando sobre a data de abertura das inscrições para a edição deste ano do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).
Como informamos nesta matéria, tudo indica que o prazo para os candidatos se inscreverem no Enem 2014 será aberto no mês de maio. Por quê? Pelo simples fato de ter sido esta a época escolhida pelo Ministério da Educação (MEC) nos últimos anos para anunciar e abrir o período para que os interessados em participar no exame realizem sua inscrição.
Vale lembrar que, juntamente com a divulgação das datas das inscrições, o MEC também libera o edital do Enem, contendo todas as regras e calendário com os principais eventos relacionados ao exame, como datas das provas, liberação dos gabaritos oficiais e do resultado, entre outras.
Esclarecemos também que a inscrição para o Enem 2014, da mesma forma que ocorreu nos últimos anos, deverá ser feita exclusivamente pela internet, no site do órgão responsável pela organização da prova, o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais). A taxa de inscrição deverá se manter no valor de R$ 35, como vem ocorrendo nas edições anteriores e, os candidatos concluintes do ensino médio em escola pública e aqueles que comprovarem baixa renda, poderão pedir a isenção deste valor.
Lembramos a vocês leitores que as informações prestadas nesta matéria não são oficiais, de forma que há alguma possibilidade do MEC antecipar ou atrasar a abertura das inscrições para o Enem. Entretanto, pelo fato de já se repetir a algum tempo e também pela forma bem sucedida como foram organizadas as edições da 2012 e 2013, sem nenhuma catástrofe, dificilmente o MEC e o Inep irão promover mudanças nos prazos e na logística do Enem.
De qualquer forma, fique atento ao maior Portal do Enem pois, assim que o MEC anunciar o período de inscrições para a prova deste ano, divulgaremos em primeira mão aqui no infoEnem.