quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Para se dar bem na redação do ENEM...Fique atento!

 
 
Gostei destas dicas e resolvi postar aqui para vocês. Não deixe de ler!



1) - Leia os textos da coletânea com atenção e apreenda o recorte temático efetuado por eles.

 
2) - Relacione tais textos com o modo como a proposta temática foi formulada. Lembre-se de que a abordagem do tema na redação deve corresponder às expectativas da banca a respeito do encaminhamento da questão.

 

3) - Você pode usar as ideias expostas nos textos da coletânea, mas apropriando-se delas em seu discurso, e não copiando-as. Tenha, no entanto, o cuidado de não fazer só isso: mostre reflexão pessoal.

 

4) - Encare sempre o tema como um problema, ainda que não esteja expresso dessa forma na elaboração da proposta.

 

5) - Após compreender o tema e o recorte já efetuado pelos textos de apoio, formule sua tese, ou seja, delimite seu ponto de vista sobre a questão problematizada.

 

6) - Em seguida, faça o esquema lógico de seu texto, isto é, busque três argumentos (ou ideias) que desenvolvam sua tese, seu ponto de vista, de modo pertinente, consistente e coerente. Lembre-se de ordená-los de modo a garantir a natural sucessão das ideias, a progressão temática.

 

7) - Ao elaborar a introdução, procure apresentar o tema de forma clara e, preferencialmente, apresente desde já a tese. Evite digressões iniciais, para que o avaliador perceba com facilidade que o texto se insere no tema proposto.

 

8) - Ao argumentar, lembre-se de que os argumentos se ligam à tese, e essa, ao tema.

 

9) - Evite simplesmente descrever ou exemplificar: lembre-se de que tais procedimentos devem ser usados para sustentar o argumento, não valendo como tal.

 

10) - Prefira argumentos com o máximo de relevância possível, ou seja, de conhecimento geral, que garantam consenso em torno deles, que não sejam generalizações ou falácias.

 

11) - A argumentação é o momento de apresentar fatos. O espaço da opinião é a tese defendida e sustentada pelos fatos (argumentos).

 

12) - Se necessário, lance mão (no início dos parágrafos) de conectivos e elementos de coesão sequencial (por exemplo: "além desse fato", "outro aspecto", "no entanto", "como consequência", "por essa razão", "desse modo" etc.) que esclareçam a progressão temática, sobretudo se achar que o vínculo semântico entre as ideias de cada parágrafo não estiver muito claro.

 

13) - Busque usar vocabulário que seja de seu domínio, mas evite coloquialismos.

 

14) - A conclusão não deve conter ideia nova, uma vez que é o resultado lógico da reflexão acerca das ideias já apresentadas.

 

15) - No caso do Enem, é necessário que sejam lançadas propostas de intervenção na realidade, ou seja, de solução do problema enfocado. Tais propostas serão pontuadas quanto à sua coerência com o desenvolvimento e quanto ao seu grau de especificidade.

 

16) - As propostas podem estar apresentadas no corpo da argumentação ou, preferencialmente, na conclusão.

 

17) - Não se esqueça de que a argumentação e o lançamento de propostas de solução devemrespeitar a diversidade sociocultural, os direitos humanos e as questões relativas à cidadania.

 

18) - Faça rascunho e, ao passar a limpo, confira, principalmente, a ortografia, a concordância, a regência (crase) e a colocação pronominal; e evite a repetição vocabular.

 

19) - Use letra bem legível e não rasure, se possível.

 

20) - Não se esqueça de atribuir ao seu texto um título interessante e pertinente ao tema.

 

21) - Procure usar elementos coesivos claros e específicos (cuidado com o uso disseminado do "isso", "por isso", "tudo isso", “com isso”).

 

22) - Evite influência da oralidade, como nas expressões "literalmente", "fora de hora", "até porque", "tipo", "sem dúvidas", "pra", "é complicado", "é claro", "acontece que", "por incrível que pareça", “por causa que” etc.

 

23) - Atenção à colocação pronominal: lembre-se de que "que" e "não" são "atrativos" do pronome("que se disse", "não se disse"). Lembre-se também de que não se começa frase com pronome oblíquo.

 

24) - Atenção à regência dos verbos e nomes, principalmente quando se usa o "que" ("momento em que"; "filme a que se assistiu" etc).

 

25) - Cuidado com a repetição vocabular e de conectivos como "porém" e "pois". Aliás, evite começar período com esses conectivos.

 

26) - Evite utilizar modalizadores que expressem julgamento, tais como "infelizmente", "lamentavelmente", "obviamente", "curiosamente" etc.

 

27) - Não se esqueça: embora CREEM e VEEM tenham perdido acento, têm e vêm, na 3ª pessoa do plural, continuam acentuados.

 

28) - Respeitem as funções anafórica e catafórica do ESSE (e flexões) e do ESTE (e flexões), respectivamente.

 

29) - Prefira o ele / ela, se o elemento coesivo for sujeito, em vez de "o mesmo" / "a mesma", que soam deselegantes.

 

30) - Lembre-se de que exemplo não é argumento. A exemplificação é estratégia para dar consistência e clareza ao argumento, mas não basta por si só.

 

31) - Atenção à confusão entre "afim" (semelhante) e "a fim" (ter por finalidade).

 

32) - Não use "alguma palavra" de maneira indiscriminada (em vez de "coisa", usa-se "algo"),gerando imprecisão e demonstrando pobreza vocabular.

 

33) - Cuidado com a legibilidade do seu texto. Sua letra precisa ser legível.

 

34) - Evite imprecisões como o "etc", "assim por diante", "outros mais", “dentre outros”, “com certeza”.

 

35) - Cuidado com o uso da vírgula para separar sujeito de verbo, sobretudo quando o sujeito é longo; indicando deslocamento do advérbio e separando vocativos.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário