quarta-feira, 1 de maio de 2013

Proposta e estrutura do Artigo de opinião

Artigo de opinião
Leia os textos a seguir e escreva um artigo de opinião com o tema empreendedorismo.
 
Para quem ainda não sabe ou não se lembra o que é um Artigo de opinião, segue abaixo algumas considerções:
Artigo de opinião - Texto em que uma opinião é expressa.
 Como você se sente convivendo em uma sociedade na qual tem a oportunidade de se posicionar diante de um determinado assunto e discutí-lo segundo suas observações, seus posicionamentos acerca da realidade que o cerca? Importante, não? Sim, pois essa atitude caracteriza você como sendo alguém que não cruza os braços diante de tudo que vê, ouve e assiste nos noticiários por aí.

 
Existem características que são especificas de um artigo de opinião:
Também conhecido como texto de opinião, como o nome já diz, expressa uma opinião e é um texto dissertativo.
Você pode pensar “Ué, mas então o artigo de opinião é a mesma coisa que uma dissertação argumentativa?”
O artigo de opinião traz características de dois tipos de textos diferentes – a dissertação argumentativa e a carta. Reúne características desses dois tipos de textos.
É preciso estar muito claro que não existe um bom texto que defenda uma tese e que não seja informativo, que não tenha uma grande base de informatividade. É impossível você escrever um bom texto se você não tem informações sobre o assunto.
O artigo de opinião usa temas específicos que são sempre problemáticas. Não há como opinar sobre uma problemática que não se sabe que existe. Então, leia, informe-se, tenha embasamento para fundamentar suas ideias
Nos concursos e vestibulares essa circunstância comunicativa pode ser uma das opções.
 
O artigo de opinião caracteriza-se como um gênero textual em que seus argumentos possuem condições de fazer com que o interlocutor acredite que você realmente tem razão no que diz.
Dessa forma, por pertencer a essa categoria (de caráter argumentativo), deve obedecer à linguagem padrão, ou seja, nada de coloquialismo, a menos que seja em favor do seu texto ao se referir a uma determinada situação que o leve ao uso do coloquialismo.
Uma característica muito peculiar deste tipo de gênero textual é a persuasão, que consiste na tentativa do emissor de convencer o destinatário, neste caso, o leitor, a adotar a opinião apresentada. Por este motivo, é comum presenciarmos descrições detalhadas, apelo emotivo, acusações, humor satírico, ironia e fontes de informações precisas.
Outros aspectos persuasivos são as orações no imperativo (seja, compre, ajude, favoreça, exija, etc.) e a utilização de conjunções que agem como elementos articuladores (e, mas, contudo, porém, entretanto, uma vez que, de forma que, etc.) e dão maior clareza às ideias.
Geralmente, é escrito em primeira pessoa, já que se trata de um texto com marcas pessoais e, portanto, com indícios claros de subjetividade, porém, pode surgir em terceira pessoa.
 ESTRUTURA:
 O importante é não se contentar mais com um texto com “cara” de redação escolar. É preciso ousar. Ousar com responsabilidade, bom senso e respeito à estrutura básica de uma dissertação:
·         Título: Crie um título que desperte o interesse e a curiosidade do leitor.
·         Parágrafo introdutório: aqui os elementos principais da ideia a ser retratada são evidenciados.  Pense num enunciado capaz de expressar a ideia principal que pretende defender.
·         Desenvolvimento: onde são expostos os argumentos em defesa de um ponto de vista a ser defendido;
·         Conclusão: onde ocorre o fechamento de todas as ideias abordadas ao longo do discurso. Pense na melhor forma possível de concluir seu texto: retome o que foi exposto, ou confirme a ideia principal, ou faça uma citação de algum escritor ou alguém importante na área relativa ao tema debatido.
 
Ao terminar o texto, releia e observe se nele você se posiciona claramente sobre o tema; se a ideia está fundamentada em argumentos fortes e se estão bem desenvolvidos; se a linguagem está adequada ao gênero; se o texto apresenta título e se é convidativo e, por fim, observe se o texto como um todo é persuasivo.

Texto l

O QUE É SER EMPREENDEDOR

Adriane Alvarenga da Rocha Pombo

O economista austríaco Joseph A. Schumpeter, no livro “Capitalismo, socialismo e democracia”, publicado em 1942 associa o empreendedor ao  desenvolvimento econômico. Segundo ele, o sistema capitalista tem  como  característica inerente, uma força que ele denomina de processo de destruição criativa, fundamentando-se no princípio que reside no desenvolvimento de novos produtos, novos métodos de produção e novos mercados; em síntese, trata-se de destruir o velho para se criar o novo. Pela definição de Schumpeter, o agente básico desse processo de destruição criativa está na figura do que ele denominou de empreendedor.

Numa visão mais simplista, podemos entender como empreendedor aquele que inicia algo novo, que vê o que ninguém vê, enfim, aquele que realiza antes, aquele que sai da área do sonho, do  desejo,  e parte para a ação. “Um empreendedor é uma pessoa que imagina, desenvolve e realiza visões” Filion. Ser empreendedor significa, acima de tudo, ser um realizador que produz novas ideias através da congruência entre criatividade e  imaginação. Seguindo este raciocínio; a professora Maria Inês Felippe defende a ideia de que o empreendedor, em geral, é motivado pela autorrealização e pelo desejo de assumir responsabilidades e ser independente. Considera irresistíveis os novos empreendimentos e propõe sempre ideias criativas, seguidas de ação. A autoavaliação, a autocrítica e o controle do comportamento são características do empreendedor que busca o autodesenvolvimento. Para se tornar um empreendedor de sucesso, é preciso reunir imaginação, determinação, habilidade de organizar, liderar pessoas e de conhecer tecnicamente etapas e processos.

 Maria Inês define empreendedor como sendo: “aquele  capaz de deixar os integrantes da empresa surpreendidos, sempre pronto para trazer e gerir novas ideias, produtos, ou mudar tudo o que já existe. É um otimista que vive no futuro, transformando crises em oportunidades e exercendo influência nas pessoas para guiá-las em direção às suas ideias. É aquele que cria algo novo ou inova o que já existe e está sempre pesquisando. É o que busca novos negócios e oportunidades com a preocupação na melhoria dos produtos e serviços. Suas ações baseiam-se nas necessidades do mercado.”

(...)

Na verdade ninguém nasce empreendedor. O contato com família, escola, amigos, trabalho,sociedade vai favorecendo o desenvolvimento  de alguns talentos e características de personalidade e bloqueando ou enfraquecendo  outros. Isso acontece ao longo  da  vida, muitas vezes ao acaso, pelas diversas circunstâncias enfrentadas. O empreendedor é um ser social, e assim sendo é fruto da relação  constante  entre  os talentos e características individuais e o meio em que vive.


 

TEXTO II


Texto lll

NÚMERO DE EMPREENDEDORES INDIVIDUAIS CRESCE 84% NO BRASIL

Dois milhões e meio de brasileiros legalizaram o próprio negócio nos últimos três anos. Mulheres já são quase metade dos empreendedores individuais.
Renata Capucci - Rio de Janeiro

Uma pesquisa do Sebrae,  feita com 11.500 pessoas entre março e abril, revelou que o número de empreendedores individuais cresceu 84% no país.  Hoje são 2,5 milhões de pessoas que saíram da informalidade. A expectativa é de que sejam quatro milhões até 2014.

As brasileiras têm dado uma contribuição fundamental nesse mercado de trabalho. Elas já são 46% dos empreendedores individuais e dominam algumas das atividades mais escolhidas. A área de serviços de estética e beleza é a que mais cresceu entre 2011 e 2012: 132%.

Há um ano a empreendedora Vanessa Brito formalizou seu negócio e só viu o faturamento crescer. O que era uma lojinha acanhada na Cidade de Deus, cresceu, apareceu e prosperou.

Hoje ela vende produtos pra cabelo no varejo, no atacado para profissionais de salão e expandiu o negócio: montou seu próprio salão nos fundos da loja onde dá cursos de reciclagem e aperfeiçoamento sobre novas técnicas e tinturas.

"Mais de 70% dos pesquisados querem crescer, não querem ficar pequenininho, querem ter mais mercado, poder crescer, quem sabe poder ser uma micro e pequena empresa no futuro", declara Luiz Barreto, presidente do Sebrae.

Algumas vantagens de ser tornar um empreendedor individual é que ao se formalizar a pessoa passa a ter uma identidade empresarial com o número do CNPJ, o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica.

Desta forma, é possível negociar com outras empresas, passar nota fiscal, ter mais facilidade no acesso a crédito bancário. Além disso, o empreendedor terá direito a benefícios previdenciários, como aposentadoria, auxílio-doença e licença maternidade.

Edição do dia 10/08/2012

10/08/2012 13h43 - Atualizado em 10/08/2012 14h05

 

Um comentário: