sexta-feira, 15 de março de 2013

Denotação e Conotação

Uma lição

A denotação é o primeiro sentido de um signo, de um termo. Exemplo: "banana" denota uma fruta. A conotação consiste nos múltiplos sentidos posteriores do signo. Exemplo: "João é um banana". Aqui "banana" significa frouxo, destituído de vontade e de personalidade. Outro exemplo: "Azul" denota uma cor; "Anderson azulou", cujo significado é sumiu, saiu, fugiu. Portanto, a "gíria" é sempre conotativa.

Uso de Aspas

As aspas ("...") são usadas em três casos:
quando de citação literal, isto é, a reprodução de uma frase de outra pessoa da maneira pela qual ela foi formulada. Exemplo: o rei Luís XVI disse: "o Estado sou eu";
quando do uso de palavras estrangeiras. Exemplo: o "establishment" (sistema dominante e institucionalizado) é conservador. Outro exemplo: a publicidade, muitas vezes, utiliza o "outdoor". Atenção: não se usam aspas em palavras latinas, pois o Latim é a base do português. Exemplo: é preciso defender o status quo (o que existe atualmente). Outro exemplo: os conservadores desejariam retornar ao status quo ante (situação anterior, passada);
quando do uso de termos no plano conotativo. Exemplo: esta aula foi "animal". Animal denota fera; no nível conotativo da gíria significa "fantástico", "excepcional". Outro exemplo: ela é uma "gata". Gato denota um tipo de felino; no plano conotativo quer dizer "bonita", "atraente".

Algumas Figuras de Linguagem

As figuras de linguagem são recursos expressivos de uma língua. São maneiras de redigir e falar que fogem do discurso literal denotativo, visando informar de maneira conotativa e criativa. Elas ajudam a evitar os "clichês", isto é, frases feitas de uso corrente e pouco imaginativas. A cada aula ensinaremos duas figuras de linguagem para você entender e usar.

A METÁFORA

Consiste numa comparação implícita, ou seja, uma comparação na qual não se usa o termo como. Exemplo: o Mauricio é forte como um leão. Nesta frase não há metáfora, trata-se de uma mera comparação. Agora: Mauricio é um leão. Repare que na segunda proposição (frase) não aparece o termo como. O leitor deduz que a força do Mauricio é leonina. Como já dissemos, nesse caso, a comparação está implícita. Outro exemplo: Joana é burra como uma porta (comparação); Joana é uma porta (metáfora).

A CATACRESE

Consiste no deslocamento do sentido original, denotativo, do termo. Exemplo: "enterrei o prego no pé". Ora, "enterrar" significa enfiar algo na terra e não no pé, o que implica um afastamento do primeiro sentido do termo. Outro exemplo: "embarquei no avião". Embarcar é entrar no barco, portanto "embarcar no avião" é uma catacrese. Mais um exemplo: "pé da mesa". Você bem sabe que mesa não tem "pé"; o uso de "pé da mesa" é uma analogia, pois a estrutura de sustentação da mesa lembra um pé. Ainda mais: "bico do bule", o mesmo caso de "pé da mesa"; "comprei azulejos amarelos". "Azulejo" significa uma peça de decoração de cor azul. Portanto, azulejos amarelos deslocam o sentido original da palavra "azulejo".

O EUFEMISMO

É o uso de um termo ou expressão no lugar de outro termo ou expressão considerado chocante ou desagradável. Exemplo: "Maria foi desta para melhor" em lugar de "falecer". Outro exemplo: "Joana deu à luz" ao invés de "pariu"

A HIPÉRBOLE

É a figura que consiste em enunciar um conceito com exagero. Exemplo: "Eu já falei isso um milhão de vezes". Outro exemplo: "Seu discurso era tão caudaloso quanto o rio Amazonas".

Uso do Pleonasmo

Pleonasmo é a repetição do mesmo conceito. Ele pode ser "vicioso" quando aplicado de forma redundante. Exemplos: "entrar para dentro"; "subir para cima", etc. O pleonasmo também pode ser uma figura de estilo se usado como "ênfase". Exemplo: "vi com meus próprios olhos"; "pisei com meus próprios pés".

Nenhum comentário:

Postar um comentário