Item

terça-feira, 29 de maio de 2012

Proposta de redação - Relato de experiência vivida - Desplugar-se!


 

 O que é um relato de experiência vivida?

é a apresentação oral ou escrita, de experiências humanas vivenciadas que podem ser do tempo presente ou do tempo da memória (passado): diários, testemunhos, autobiografia, etc.

Saiba mais:
Um relato nada mais é do que a exposição, oral ou escrita, de uma experiência vivida. O texto segue a linha da narrativa em que o narrador “relata” um acontecimento importante de sua vida. Apresenta os mesmos elementos da narrativa; personagens, ambientes, tempo, espaço, descrições. Texto escrito em 1ª pessoa.
É importante observar a questão do limite de linhas. No caso de redações de 15 linhas, é preciso ser mais objetivo e deixar de lado excesso de detalhes.
Resposta Interpretativa
Neste tipo de texto o autor deverá, antes de tudo, entender a essência da proposta. É comum a banca fornecer um ou mais textos de apoio. É sobre estes textos que o autor deverá basear sua resposta. Aqui, a interpretação do conteúdo é o fundamento, portanto, quando interpretamos procuramos reproduzir esse conteúdo associando-o ao contexto dado pelo enunciado.
Observem que a proposta vem carregada de perguntas. Com base nelas crie seu roteiro da resposta. Veja algumas dicas:
- escreva em 3ª pessoa;
- dois ou três parágrafos;
- sua resposta deve estar baseada nos textos de apoio;
- não dê sua opinião;
- não fuja do conteúdo apresentado nos textos de apoio;
- utilize uma citação para fundamentar a resposta (com base nos textos de apoio).

Resposta Argumentativa
Este gênero de texto é mais parecido com uma dissertação. Sua opinião é requerida, porém, sem utilização da 1ª pessoa. Com base nos textos de apoio, fundamente sua resposta com base em seu conhecimento, procurando argumentos que fundamentem sua resposta. Neste caso, não se prenda aos textos de apoio.
Dicas:
- Procure deixar subentendido o enunciado da questão ao leitor, fazendo-o compreender a pergunta original sem tê-la lido;
- Deixe evidente sua posição quanto ao tema (a favor/contra);
- dois ou três parágrafos;
- texto impessoal;
- sua opinião é importante;
Você pode seguir uma sequência simples: resposta, justificativa (argumento), explicação, comprovação e sugestão (se for possível).



TEXTO
Desplugada por 4 dias, tudo se resolve  

Desplugada por 4 dias, tudo se resolve  A exemplo de uma experiência proposta aos leitores do jornal The New York Times (NYT), passei quatro dias sem checar  e-mails e com o celular desligado. Esse foi o meu “desplugamento” pessoal. No NYT, cada um escolhia seu próprio desafio. Um jovem, por exemplo, ficou dois dias sem Facebook (você conseguiria?).
Gostaria de dizer que após meus quatro dias de E.T. sou uma nova pessoa. Não. Continuo bastante ansiosa. Mas a experiência me fez ver que a ausência de ferramentas que considero indispensáveis para a comunicação pode ser facilmente contornada.
Acabo de voltar ao meu Yahoo. Estão lá 51 mensagens, 6 que me interessam e 1 que exige resposta. Não foi o que eu imaginei no primeiro dia de meu autoembargo tecnológico, quando senti desespero de que alguém estivesse berrando em algum lugar por não conseguir falar comigo. Cheguei a pensar em ligar para os amigos e perguntar se haviam ligado ou escrito. Me segurei.
No segundo dia, uma surpresa ao chegar em casa: sobre a cama havia um daqueles bons e velhos recadinhos escritos à mão: fulana ligou. Mas senti falta de um material de aula que estava preso no mundo virtual. Resolvi pedindo uma cópia a uma amiga (é, a tecnologia nos torna mais independentes).
No terceiro dia, chegaram as contas do mês: ainda bem que não aderi ao envio virtual de cobranças que o banco me ofereceu. 
Último dia, prestes a quebrar o jejum, o caos tomou conta, tal qual a hora do clímax num filme: o cachorro da vizinha fugiu.  Ótimo, pensei, é só ligar para o telefone fixo dela. Ninguém atendeu.  Segundos de dilema pessoal: quebro a experiência e procuro o número de celular na agenda do meu móvel?  Não. Pedi ao "papi" a gentileza de sair correndo pela rua e dar um jeito de prender o bichinho (é uma rotweiller). Agora que acabou, uma pergunta fica no ar: ligo o celular?
Fonte: Depoimento de Helena Carnieri, repórter da Seção Mundo. Gazeta do Povo, 5.set.2010,p.27.

Proposta de Redação 

Se todos nós aderíssemos à proposta da jornalista de nos desplugarmos por alguns dias, quatro, que foi o dia proposto pela dona da ideia, o que poderia acontecer para o andamento da vida nossa e de outras pessoas, principalmente nas grandes cidades?
Escreva um texto, em que você deve analisar a proposta e relatar como você se sentiria no caso de desplugar-se por quatro dias.  

Para você entender direitinho:
 
Responda às questões sobre a tirinha:
1.Observe a pergunta de Mafalda a Suzanita, no primeiro quadrinho.
a. Esse tipo de pergunta relaciona-se a experiências vividas? Justifiqu
b. A resposta de Suzanita mostra que ela entendeu o teor da pergunta da Mafalda? Por quê?
c. O que sugerem as supostas lembranças de Suzanita?
d. Por que Mafalda  apresenta uma expressão de desapontamento? Explique.
2. Compare a natureza da pergunta de Mafalda  e a resposta de Suzanita.
O que elas sugerem em relação a visão de vida  de cada uma delas?
3.  Você se lembra de como foi o início de sua vida escolar?
a. Tente se lembrar dos professores, dos colegas, dos primeiros livros, de algum acontecimento marcante dessa época
b. Há muita diferença em relação ao seu jeito de ser hoje em relação ao seu jeito de ser naquela época?
c. Procure um colega e conte a ele como foi esse período de sua vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário