domingo, 18 de setembro de 2011

MARÍLIA DE DIRCEU (Tomáz Antônio Gonzaga)

ARCADISMO
A palavra arcádia, que dá origem a Arcadismo, é grega e designa uma
sociedade literária típica da última fase do Classicismo, cujos membros adotam nomes poéticos
pastoris, em homenagem à vida simples dos pastores, em comunhão com a natureza.


O ARCADISMO QUANTO À FORMA
• vocabulário simples
• frases na ordem direta
• ausência quase totral de figuras de linguagem
• manutenção de versos decassílabos, do soneto e de outrass formas clássica

O ARCADISMO  QUANTO AO CONTEÚDO
• pastoralismo
• bucolismo
• fugere urbem
• aurea mediocritas
• elemento da cultura greco-latina
• convencionalismo amoroso
• idealização amorosa
• racionalismo
• iIdéias iluministas
• carpe diem

CRONOLOGIA
Início do Arcadismo no Brasil: 1768 - publicação das Obras Poéticas de Cláudio Manuel
da Costa.
Término: 1836 - publicação de Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves Magalhães.

BIOGRAFIA DO AUTOR
Embora português de nascimento, Tomás Antônio Gonzaga viveu no Brasil parte de sua
infância. De volta a Portugal, formou-se em Coimbra, mas a partir de 1782 passou a exercer em Vila
Rica o cargo de ouvidor.
Aos 40 anos de idade praticamente, Gonzaga apaixonou-se por uma adolescente de 17
- Maria Dorotéia Joaquina de Seixas. A família da moça opunha-se ao namoro. Quando o poeta já
vencia a resistência da família, foi preso (17898) e enviado para a ilha das Cobras, no Rio de Janeiro,
como participante da Inconfidência Mineira. Os últimos dezessete anos de sua vida passou-os no
degredo,  em Moçambique, casado com a filha de um comerciante de escravos.
Gonzaga nunca se casou com Maria Dorotéia, mas esse namoro tornou-se o primeiro mito amoroso de nossa literatura e inspirou uma de nossas mais belas obras líricas.
Tomás Antônio Gonzaga (Dirceu)   1744-1810

OBRAS:
Marília de Dirceu Cartas Chilenas (principal obra satírica do século XVIII, atribuída a
Gonzaga)
Duas tendências coexistem nas liras de Gonzaga:
a) a contenção e o equilíbrio neoclássicos, com a utilização de todos os lugares-comuns
do Arcadismo: um pastor, uma pastora, o campo, a serenidade da paisagem principal.
b) o emocionalismo pré-romântico, na expressão pungente da crise amorosa e,
posteriormente a prisão, da crise existencial do poeta.
O sujeito lírico é o pastor Dirceu, que confessa seu amor pela pastora Marília. Eis a
convenção neoclássica realizada, Mas é evidente que nos pastores se projeta o drama amoroso
vivido por Gonzaga e Maria Dorotéia.
A todo momento a 0emoção rompe o véu da estilização  arcádica, brotando, dessa tensão,
uma poesia de alta qualidade.
" Eu tenho um coração maior que o mundo
tu, formosa Marília, bem o sabes;
um coração, e basta,
onde tu mesma cabes"

AS PARTES DA OBRA
A obra se divide em duas partes (há uma terceira, cuja autenticidade é contestada por
alguns críticos):
1ª parte: contém os poemas escritos na época anterior à prisão de Gonzaga. Nela
predominam as composições convencionais: o pastor Dirceu celebra a beleza de Marília em pequenas
odes anacreônticas. Em algumas liras, entretanto, as convenções mal disfarçam a confissão amorosa
do amor: a ansiedade de um quarentão apaixonado por uma adolescente; a necessidade de mostrar
que não é um qualquer  e que merece sua amada; os projetos de uma sossegada vida futura, rodeado
de filhos e bem cuidado por suas mulher etc.
2ª parte: escrita na prisão da ilha das Cobras. Os poemas exprimem a solidão de Dirceu,
saudoso de Marília. Nesta segunda parte, encontramos a melhor poesia de Gonzaga. As convenções,
embora ainda presentes, não sustentam o equilíbrio neoclássico. O tom confessional e o pessimismo
prenunciam o emocionalismo romântico..


Nenhum comentário:

Postar um comentário