quarta-feira, 29 de junho de 2011

Cândido ou o otimismo - Resumo do livro

Cândido, criado pelo barão Thunder-ten-tronck, era um jovem de espírito simples e índole suave. Diziam ser sobrinho do barão. Era primo de Cunegundes, jovem gorducha, e por quem era apaixonado. Tinham Pangloss como preceptor. Que por sua vez era amante de Paquette, a criada. Quando o barão descobre a paixão de Cândido, expulsa-o a pontapés. O jovem vaga sem rumo até alistar-se no exército búlgaro. Que encontrava-se em guerra com os ábaros. Maltratado pela caserna, o jovem deserta, mendiga e conhece o anabatista (seita européia reformista) Tiago. Nas suas andanças reencontra Pangloss, que acreditava estar morto. Fica sabendo notícias não muito boas de Cunegundes, fora violada e massacrada pelos búlgaros. Os três passam a andar juntos. Vão até Lisboa, à época do fatídico terremoto que destruiu ¾ da cidade. Os sobreviventes decidem por um auto-de-fé, na esperança de evitar nova desgraça. Cândido toma parte e após um novo tremor é espancado. Tiago e Pangloss saõ condenados à forca. Ele consegue fugir. É encontrado por uma velha, que vive na casa de um judeu. A velha cuida de saus ferida e, é lá, que ele reencontra Cunegundes. Ou o que restou dela. Cunegundes relata suas desventuras. Só se salvou porque tornou-se amante de um soldado búlgaro. Acreditava que Pangloss estivesse morto. O dono da casa, o velho judeu, Issachar, era amante de Cunegundes, e Cândido numa crise de ciúmes mata o judeu com uma faca. Os três fogem para Cádiz (Espanha). E a velha narra as desventuras dela. Tinha sido uma nobre. Tomam um navio para Buenos Aires. Lá, o Governador toma Cunegundes por mulher e ameaça queimar Cândido, que foge para o Paraguai. A velha fica com Cunegundes. Cândido foge, juntamente com um criado adquirido em Cádiz, Cacambo. São acolhidos por padres jesuítas. Os dois partem em busca do Eldorado. Encontram-no e voltam com dois carneiros com o pêlo coberto de diamantes. Vão para Caiena. Lá, se separam, e Cândido marca um encontro com Cacambo em Veneza. Tem intenção de resgatar Cunegundes. No navio, conhece Martinho, o sábio. O navio os leva para a Europa, ao invés de Buenos Aires. Chegam à França. lá, conhecem e travam amizade com clérigos desonestos. Vão á Inglaterra e Cândido reencontra Paquette e seu atual amante, o frei Giroflée. Cândido e Martinho vão agora para Veneza, para o reencontro com Cacambo. Conhecem o Sr. Pococurante, nobre veneziano, versado em filosofia. Numa noite, vão cear com seis estrangeiros. Descobrem ser eles seis monarcas depostos. E, para surpresa de Cândido, Cacambo era criado de um deles, o turco. Descobre ainda que Cunegundes encontra-se em Constantinopla. Vão para lá. Na Turquia, com os diamantes que trouxe do Eldorado, Cândido recompra cacambo. E resgata também Pangloss e o barão, que também são cativos dos turcos. Finalmente reencontra Cunegundes e a velha. Gasta quase todo o resto dos diamantes com a compra da liberdade das duas. Chegam de Veneza, Paquette e seu amante, Giroflée. Aí é que Cândido descobre que não ama Cunegundes. Sente algo até mais forte, mas não amor. Associa seus sentimentos com a proibição imposta pelo barão. Criam uma comunidade, todos eles, e terminam a história vivendo na Turquia. Vizinhos de um dervixe (espécie de guru oriental). E seguindo a simplicidade do pensamento de Cândido e de Pangloss. Dois otimistas. A idéia central desse livro é atacar a filosofia dualista de bem e mal, de Leibnitz, fortemente criticada por Voltaire. Partidário da filosofia do bem-estar. As notas de rodapé são um livro à parte. Recheadas de informações históricas e análises sócio- filosóficas. Que viveu, sem sombra de dúvidas, em uma das épocas mais cultas da humanidade, cercado de mentes geniais.

Um comentário: